fbpx

Por que adquirir Autoconhecimento? Imagine que você chega no mundo e não sabe nada a respeito de “quem é”, “o que veio fazer” , “como veio”, “para onde vai”, “quando vai” e  “como”?    Simplesmente você andasse como um errante, sem nenhuma perspectiva de obter as respostas básicas para a sua vida.

Seria uma pessoa sem consciência e aquilo que não se tem consciência não se controla.

É muito comum encontrar estranhos convivendo consigo mesmo.  Não sabem como funcionam e como não sabem como dominar-se, a ignorância é que domina.  Isto é o que pode ser chamado de caos.

Miséria humana é muito mais do que falta de comida, é falta de consciência.  Pessoas vivem como zumbis buscando sentir-se vivo quando comem, bebem e compram coisas.

O grande engano é que ouve a pergunta “Quem você é?”, a tendência é pensar que se é um nome.   Independente do que se pensa, o ser humano é mais que um nome. As pessoas que pensam que são um nome, quando tem algum problema ficam paralisadas porque se identificam com os elementos da personalidade.

A palavra personalidade é derivada da palavra “persona” que no grego quer dizer máscara. O homem usa as máscaras temporariamente, apenas para desenvolver os papeis:  profissional, familiar, social e conjugal.  Mas o homem é mais do que os papeis que desempenha.

O sofrimento  existe quando a pessoa não sabe “quem é” e o que veio “fazer”, isto é, esquece o alvo, o objetivo e torna-se apenas um corpo com instintos a serem satisfeitos.

“Cair para dentro de si” é reencontrar a conexão com a vida e recordar que se é maior do que os problemas cotidianos.

Problemas são apenas provas para confirmar de que no meio do caos pode nascer o bem e a beleza. Adversidades servem para caminhar cada vez mais firme na estrada, para aprender a se equilibrar na corda bamba.

Além dos instintos, além das funções inerentes à existência, existe a dimensão da essência onde está a fonte primária, o sagrado, a origem, o divino em cada ser humano.

Buda em sua jornada para a iluminação conseguiu encontrar o sagrado caminho do meio que inclui  todas as coisas que possam estar em conflito.  Esta é uma grande sabedoria, em aceitar que somos tudo em harmonia.

Quando a pessoa se denomina, por exemplo: “sou médico”  acaba por excluir uma série de possibilidades que também pode defini-la, do tipo “sou pai, sou amigo, sou filho”.   No topo da montanha, Buda compreendeu a vastidão do ser em eterna mutação e para compartilhar com os outros começou a descer a montanha em sua grande viagem de volta.

E ao descer a montanha várias pessoas que estavam no caminho começaram a perceber o estado de grande paz…algo verdadeiramente único.  E quando as pessoas perguntavam se ele era Deus, Mago ou homem…ele respondia: Eu sou Mudança.

Um homem não consegue ser o mesmo o tempo todo,  pois a cada respiração está registrando novas sinapses, novos ensinamentos através de algo sempre novo que está acontecendo ou está por acontecer.

Ao invés de se definir através da profissão, seja mais grandioso, abra-se para as diversas oportunidade de viver experiências incríveis de estados de ser.

Quando se ouve a pergunta “O que você faz?”, a maior parte das pessoas responde sobre o seu trabalho como se o trabalho fosse a identidade.   Todas as informações que estão no cartão de apresentação de uma pessoa, um dia irão desaparecer. A pessoa faz  muito mais do que somente as tarefas inerentes a profissão. Sempre se está  fazendo e estão acontecendo muito mais coisas do que se possa pensar.

Entrar na correnteza do movimento da vida e seguir os princípios e as leis da natureza é fazer o melhor para gerar o equilíbrio em todas as atividades do cotidiano.  Fazer tudo de acordo com leis maiores, isto é as leis da natureza, é o que valoriza pequenas ações do dia-a-dia.  A natureza é paciente, generosa, doadora, fiel…se plantar abacaxi, não nasce banana.

Quando se ouve a pergunta: O que você quer?, É muito mais do que casa, carro, aparelhos domésticos, roupa lavada, conforto e viagens.  O que uma pessoa  quer é muito mais do que posses, poder e prestígio.   Busca-se  um sentido para a vida.   Qual o sentido  da  vida?  O que se veio buscar aqui?

O poeta diz “Se não houver frutos valeu a beleza das flores. Se não houver flores valeu a sombra das folhas. Se não houver nem folhas valeu a intenção da semente” . Precisamos também encontrar algo que valorize a nossa existência, que os outros possam guardar na memória, quando o corpo não mais existir.

QUAL É A CONTRIBUIÇÃO DO HOMEM

QUAL É A CONTRIBUIÇÃO DO HOMEM

QUAL A CONTRIBUIÇÃO DO HOMEM?

Ao iniciarmos no caminho do autoconhecimento é importante compreender como pensavam as antigas civilizações sobre a constituição do ser humano.  As cinco tradições da humanidade, ou seja a Egípcia, Persa, Hebreu, China e Índia estudaram sobre a composição humana e cada uma à sua maneira, acredita em sete componentes: o físico, o energético, emocional, mente concreta, mente pura, intuição e vontade.

Helena P. Blavatsky no livro A Doutrina Secreta: síntese da ciência, da religião e da filosofia, descreve a constituição humana do mais denso (corpo) para o mais sutil (vontade).    Quando se fala da constituição humana, não se trata de divisões físicas mensuráveis, mas de diferentes motores que animam o ser vivo.  São os veículos pelos quais se manifestam as forças da natureza:

  1. Etérico-físico. É o veículo onde todas as reações químicas acontecem. Trata-se do nosso corpo físico e da força que mantém unidas as células segundo uma determinada forma.
  1. Energético ou vital. É a energia que percorre todo o corpo vivo e o diferencia basicamente de um corpo morto que, embora conservando a mesma forma (por um tempo), carece de vitalidade.
  1. Emocional. Inclui todas as emoções humanas, desde as mais grosseiras e violentas até aos estados sublimes e exaltação estética e mística.
  1. Mente Concreta. Pode também ser chamada de Mente de Desejos. A interpretamos como mente egoísta, especuladora e calculista, que trabalha exclusivamente a serviço dos próprios interesses.
  1. Mente Pura. É a mente que se põe a serviço da Humanidade, em detrimento dos impulsos egoístas.
  1. Intuição. A intuição é veículo através do qual se captam as verdades de maneira direta e espontânea. Já não existe mente, já não há relação entre sujeito e objeto, mas de uma união direta sem pensamento especulativo.
  1. Vontade. É a cúspide do Homem, sede da Vontade Superior, a Centelha Divina que o relaciona definitivamente com a sua origem terrestre.

O quadrado e o triângulo serviram como imagens gráficas que representam, respectivamente, os quatro princípios inferiores, quartenário ou personalidade e os três princípios superiores, tríade.

Os quatro, representado pelo quadrado, princípios inferiores constituem a personalidade humana, a vestimenta, o mutável, o que nasce e morre e que é diferente em cada ser, tal como são distintas as roupagens com que cobrimos o nosso corpo.

A tríade, representada pelo triângulo, constitui o indivíduo que não é afetado, nem pelas transformações, nem pela vida ou pela morte.  Trata-se do Ser, ente eterno, que foi e continuará sempre a sê-lo.

Embora os sete princípios mencionados existam no ser humano, eles não estão todos completamente atualizados.

A lenta evolução da Humanidade na Terra, fez-lhe adquirir pouco a pouco um

  • Corpo físico similar ao reino mineral, uma 
  • Energia que é também própria das plantas, e
  • Sensações/Emoções identificadas às dos animais, e uma
  • Mente Racional que reconhece como específico do Homem. 

Mas porque a evolução deverá deter-se aqui? Por que pensar que o cume da corrida evolutiva reside na posse da razão?  O homem pode ir além da mente racional

Se aderirmos ao pensamento dos antigos sábios e pensadores, conceberemos ainda mais três estados para trilhar o caminho da perfeição e nos convertermos em uma raça cada mais semelhante à fonte de onde surgimos.

Passar do perecível ao imperecível, do quaternário da personalidade aos princípios superiores da tríade, implica um sacrifício que devemos conceber como o verdadeiro trabalho do homem: a conquista do seu Ser.

Esta é uma posse que não corre o risco de perda; que o ladrão não rouba. Ao  preservarmos o que é eterno, o temor e a angústia desaparecem completamente.

Por isso, os hindus chamavam aqueles que já haviam transcendido a personalidade, as duas vezes nascido: os que nasceram fisicamente depois espiritualmente, mediante seu próprio esforço.

Este é o propósito que permeia todo o ensinamento do Bhagavad-Gita, a bíblia hindu, uma ética transcendente que arranca o homem de uma vida puramente animal e o eleva pelo sacrifício – Sacro Ofício – até ao cume do seu eterno Ser.

 Esta é a razão pela qual que o autoconhecimento é importante, porque trazem um sentido maior para a experiência humana vivida no planeta terra.

 QUAL O PERIGO DE NÃO TER O AUTOCONHECIMENTO?

O indivíduo tem o livre arbítrio para se identificar com a dimensão temporária ou eterna e o seu estilo de vida irá depender da dimensão que se identifica.

Por exemplo: se a pessoa se identifica com o corpo, será um escravo dele e sofrerá quando mais velho o corpo estiver fraco, velho e debilitado.  Se a pessoa se identifica somente com a sua dimensão energética, precisará sempre estará fazendo movimento, buscando o que fazer, bebendo redbull, freqüentando festas, conversando com pessoas. Se a pessoa se identifica com as emoções buscará os esporte radicais,  usando drogas para se manter sempre em alfa. Se a identificação for com a mente, estará sempre pensando em como tirar proveito das situações e pessoas, encontrar como usar a mente para seduzir, arrancar elogios, etc..  Desta forma, toda vez que uma pessoa se identificar com a dimensão temporária,  irá se apegar ao corpo, energia, sensações e mente de desejos com todas as conseqüências temporárias e ter apego por tudo além de medo da morte.

Porém com o autoconhecimento, a pessoa também pode se identificar com dimensão eterna e desta forma transitará pelo mundo em condições mais favoráveis para vivenciar as perdas, as pressões, os momentos de baixa, as notícias ruins e tudo o que pode trazer sofrimento perde o sentido.

 QUAL O BENEFÍCIO DO AUTOCONHECIMENTO?

Quando há uma ampliação na mente, passamos a abarcar as necessidades dos outros seres, diz Padma Sátem, Dalai Lama do Brasil.

Aos nos identificarmos com a dimensão eterna deixamos as emoções perturbadoras como o orgulho que gera o falso contentamento, a inveja que gera a competitividade, o desejo que gera o apego, ignorância que gera a obtusidade mental e a aflição por carência que gera a raiva e o medo.

Se você está em sofrimento, olhe de onde ele vem.  O sofrimento vem das emoções perturbadores e a  melhor maneira de nos desligarmos delas é praticar os valores básicos universais, ou seja a Verdade, reto agir, justiça, paciência e amor, os quais explicaremos a seguir:

  1. Verdade – Verdade é aquilo que é eternamente imutável, que permanece no tempo. É a realidade eterna. Quem conhece a verdade tem sabedoria que é a iluminação na consciência trazendo o verdadeiro conhecimento em benefício de toda a humanidade.
  1. Retidão/Moralidade – Viver segundo as leis da natureza. Ser ético visando o bem comum sem trazer complicações para os seres, e sim benefícios. Fazer aos outros aquilo que possibilita a elevação do ser. Moralidade é viver dentro das leis que visam o bem comum e não trazer complicações para os seres, e sim benefícios.
  1. Justiça – Dar ao outro segundo os seus atos e a natureza dos seus atos. O justo consegue expandir o olhar e não ficar preso a si – e sim vê a natureza divina e ilimitada de cada ser. O justo dá ao outro o que o outro precisa para evoluir. 
  1. Paciência – Permanecer imperturbável diante dos fatos, já que todas as fontes de perturbação foram eliminadas. A paz se faz presente quando construirmos nossos valores com base naquilo que é permanente. Porém não se trata da paz com isolamento e sim na relação com todos os seres. Os seres pacientes adquirem uma energia constante, longe de altos e baixos.  Ao buscar modelar o divino, somos uma fonte enérgica constante, independente daquela oriunda do arroz. Ser paciente e equânime é não sucumbir às flutuações, mantendo as outras qualidades e atendendo todos os seres em suas necessidades, independentemente de recompensas ou condições.  Equanimidade significa de igual ânimo – adquirir estabilidade diante de qualquer situação favorável ou desfavorável.  A paz é o que todos procuram, mas nunca pode ser obtida no mundo exterior. A paz só pode vir de dentro. 
  1. Amor Fazer tudo para ampliar as qualidades dos outros. Ver qualidades onde o outro não está vendo. Ver as folhas da planta que ainda estão por nascer. Quem ama tem compaixão, isto é estar sensível ao universo do outro; é poder entender os obstáculos dos outros seres a partir do ponto de vista deles mesmos. Quem ama é generoso, ou seja quer o benefício do outro e o acolhe e ajuda a remover os obstáculos. O amor é a maior das virtudes e é a base do caráter.

O resultado da prática dos valores é a Alegria de reconhecer o mérito dos outros e se regozijar com isso. Quando se consegue aumentar o olho, significa que não se está preso a si, encontra felicidade também na alegria do outro.

por que adquirir autoconhecimento

por que adquirir autoconhecimento

     Agora que você tem uma ideia mais completa de quem é, é mais fácil especificar seus objetivos.

Você pode ter objetivos materiais de ganhar dinheiro até porque precisa se manter e sustentar a família.   Mas é também importante traçar objetivos de forma equilibrada que visem também a melhoria pessoal em todas as áreas da vida:

  1. Física – como você quer ter o corpo
  2. Intelectual – o que você quer aprender
  3. Afetiva – como você quer se relacionar com as pessoas
  4. Social – de quais comunidades quer Fazer parte
  5. Profissional – que profissão quer desenvolver
  6. Financeira – quanto quer ganhar
  7. Psicológica – como quer se sentir
  8. Espiritual – como quer servir aos outros.

Para traçar os seus objetivos nas diversas áreas, primeiro deverá saber:

  1. Em que contexto, qual o AMBIENTE você deseja efetuar o seu objetivo?

2. Quais COMPORTAMENTOS serão praticados para que  o objetivo seja concretizado?

  1. Quais CAPACIDADES deverão ser desenvolvidas para concretizar o objetivo?

4. O que você ganha com o objetivo? Quais os VALORES serão satisfeitos?

  1. Quais as CRENÇAS que fortalecem o objetivo?

6. Quem é você com o objetivo concretizado. Qual a sua nova IDENTIDADE?

  1. Quais as pessoas que irão se beneficiar com o seu objetivo? Como através da concretização do seu objetivo, o mundo, isto é o SISTEMA que você faz parte, será melhor?

Nosso objetivo é mostrar que as pessoas que se identificam com a parte material, existência e temporária,  especificam objetivos quantitativos: casas, carros, sítios, máquinas etc.

As pessoas que se identificam com a parte atemporal, essencial, eterna, especificam objetivos qualitativos, isto é a prática dos valores humanos básicos universais.

O ideal é ter um equilíbrio entre os dois objetivos quantitativos e qualitativos, pois somos feitos de matéria e de não matéria.   Para que você tenha uma vida plena, cuidado com seus sonhos, eles se realizam!

“Sou capaz de controlar apenas aquilo de que tenho consciência. Aquilo de que eu não tenho consciência me controla. A consciência me fortalece”