fbpx

Mês: maio 2016

Como combinar o Coaching e a Neurolinguística para melhorar sua performance ?

O que é Coaching e Neurolinguística e como estas duas abordagens podem verdadeiramente lhe ajudar?

Imagino que você seja um funcionário que trabalha em uma empresa e quer melhorar sua performance para ascender na carreira, ou é um profissional liberal e que ser um expoente na sua área de atuação, ou é um empresário que saber como desenvolver uma equipe competente para ganhar fatias no mercado. Ou ainda existe a hipótese de você ser um estudante, dona de casa, ou uma pessoa que desconfia que pode desenvolver ainda mais.

Este artigo é para todas as pessoas que querem se desafiar a ultrapassar limites pois você sabe o quanto o mundo avança e que quem não está na mesma velocidade das mudanças, acaba ficando para trás. O Coaching e Neurolinguística, juntos podem ajudar você!

Quantos insatisfeitos existem que culpam o governo, o patrão, a economia? Penso que seria de mais utilidade pensar o quanto pode custar a sua acomodação ao emprego, ao cargo, ao já conhecido. Ou você se atualiza ou você se atualiza. Você pode escolher estas duas opções, caso contrário ficará parado no tempo, enquanto o globo está se movendo.

Antigamente uma era durava mil anos, no entanto hoje de quatro em quatro meses, se duplicam as informações no planeta. O cliente cada vez mais exigente quer produtos que façam o máximo com o mínimo. Sua questão agora, não é o que aprender e sim como aprender mais rápido do que o concorrente.

como se diferenciar

como se diferenciar

COMO CONSEGUIR SE DIFERENCIAR?

Para isto é importante ter um modelo estruturado para desenvolver competências que lhe dão mais capacidade de análise para tomar as melhores decisões com rapidez e segurança, inteligência emocional para suportar pressões, inteligência relacional para lidar com as diferenças individuais de forma produtiva, habilidade de planejar e traçar objetivos e outras competências comportamentais.

Todos querem ser competentes mas sem o conhecimento da técnica de desenvolvimento de competências será como um atleta que quer ganhar a medalha de ouro mas não sabe como treinar. Existem técnicas que podem encurtar os caminhos mas para isto é preciso saber em que mãos você vai se entregar.

COMO ESCOLHER UM PROFISSIONAL QUE IRÁ IMPULSIONAR SUAS COMPETÊNCIAS?

Atualmente existem várias tipos de profissionais instrutores.

O comunicador fluente – Aquele que lhe encanta pela capacidade de comunicação e de forma envolvente lhe deixa conectado com a pessoa dele, que passa a ser um modelo. Muita encenação, misancene e sensacionalismo, porém sem profundidade. Passa entusiasmo porém baixo aprendizado. É comum encontrar grandes comunicadores que conseguem emocionar e dizer palavras bonitas, de forma sensacionalista, mas não entregam o “pulo do gato”, isto é não mostram que as ferramentas e o passo a passo. São superficiais e baixa cientificidade. Fazem grandes campanhas de marketing, mas tanto encantam com decepcionam.

O intelectual profundo – São os possuem muito conhecimento e se perdem em explicações e teorias mas não apresentam aplicabilidade em seus conceitos acadêmicos. Pouca energia e mais intelectualidade, o que acaba não chegando a lugar algum. Repete o que aprendeu, mas sem ter conseguido vivenciar, não convence o ouvinte, levando ao cansaço mental.

O terceiro tipo é o experiente vivencial – Aquele que é o que ensina e cria uma ponte entre o que está sendo dito e pode ser aplicado. Faz experiências para que cada participante chegue as próprias conclusões, não oferece respostas e sim faz perguntas que ajudam a pensar. Não se coloca como modelo acabado e sim em processo constante de transformação. É intuitivo e rejeita receitas pronta, tem métodos em que pouco ensina e o outro muito aprende. Instiga a buscar soluções próprias e originais. Cria situações de experiências palpáveis, é capaz de aprofundar questões complexas e constroem raciocínios estruturados para gerar autonomia. Cria modelos que permitem liberdade de expressão, estimula a buscar o conhecimento interior, abominando respostas prontas e vínculos de dependência.

Ao pesquisar sobre o melhor instrutor não aceite afirmações como: – Ah! A sessão foi ótima. – Eu me senti muito bem. – O instrutor é incrível. Pergunte:

O que você aprendeu? Qual o aprendizado que você conseguiu aplicar?

O processo de treinamento de um atleta não é gostoso, mas árduo. Gostoso não é desenvolver o músculo e sim levantar o troféu.

Escolha alguém competente, coerente, disciplinado e que por acréscimo possa ser simpático, cortês, gentil, educado, mas na medida certa para não se dobrar as suas manhas. O compromisso do seu instrutor é fazer com que você obtenha os resultados que você quer conseguir, e não ser agradável para você.

POR QUE O INSTRUTOR DEVE TER FORMAÇÃO EM NEUROLINGUÍSTICA?

A Neurolinguística é o estudo do impacto da palavra no sistema nervoso. Como seres linguísticos, o sistema nervoso está sendo bombardeado o tempo inteiro pela forma como se usa as palavras para escrever os fatos.
Por exemplo, quando uma pessoa diz ou pensa que “algo é muito difícil de aprender”, ela estará criando pouca condição de aprendizagem. As palavras criam realidade psicossomáticas e afetam até a saúde física, mental e emocional.

Desta forma é primordial que se saiba usar as palavras de forma a criar espaços internos favoráveis ao aprendizado em si e nos outros. Muitos nos sentimos limitados por ter uma linguagem limitada.

Os entraves não estão no ambiente externo e sim no âmago do nosso ser e a vibração sonora da palavra tem uma relevância central para que se possa vivenciar a experiência da auto-superação. Uma mente bem treinada conduz o corpo a apresentar resultados acima do esperado, da mesma forma que uma mente solta e pouco educada pode levar ao desestímulo, sofrimento e depressão.

A Neurolinguística também mostra como usar a mente para aplicar a estratégia da criatividade, da decisão, de como reagir bem as críticas, de se motivar, de lidar com pessoas difíceis, de aumentar a autoestima, de especificar objetivos, de usar a imaginação para encontrar soluções, de persuadir e principalmente de conhecer os potenciais e os pontos a melhorar.

o papel do coaching

o papel do coaching

QUAL O PAPEL DO COACHING?

Feito o alicerce, a base interna, agora vamos construir a casa que se quer morar. Enquanto a Neurolinguística é uma ferramenta de autoconhecimento, o Coaching é de autodesenvolvimento. Afinal só podemos desenvolver aquilo que conhecemos. Uma construção sem estrutura sólida, pode ser bonita, mas cairá no primeiro tremor de terra. Esta é a razão pela qual o Coach sem o conhecimento da Neurolinguística não consegue ir muito longe, pois falta-lhe o “como”. Muitos sonham mas poucos sabem como sonhar de forma produtiva,dirigida, centrada, focada.

A metodologia usada no Coaching é a pergunta bem estruturada para encontrar a resposta que a pessoa estava precisando ouvir. A diferença é que a resposta é elaborada dentro da própria pessoa, isto é não vem de fora, e por esta razão é consistente e duradoura.

um completa o outro

um completa o outro

POR QUE OS TREINAMENTOS NA ÁREA COMPORTAMENTAL UTILIZANDO A NEUROLINGUÍSTICA E O COACHING TEM VIDA MAIS LONGA?

Um artigo publicado no Training and Development Journal em novembro de 1979, mostrou a diferença de resultados entre treinamentos comportamentais e os treinamentos técnicos. Foi constatado que em grupos que não participam de treinamentos com Coaching e Neurolinguística, a tendência é rapidamente diminuir o uso do que foi aprendido, até que eventualmente o grupo volte aos mesmos hábitos que tinham antes do treinamento.

Isto acontece por dois motivos. Primeiro, devido a uma tendência natural de o cérebro humano continuar a fazer o que já está neurologicamente programado. Segundo, pela ansiedade gerado devido à tentativa de implantação de métodos ou hábitos novos. Quando se instala algo novo, os resultados iniciais são geralmente piores do que os resultados que tinha com os métodos antigos.

Esta baixa temporária acontece por causa do processo da “curva do aprendizado”, onde uma pessoa tem temporariamente resultados piores do que antes, enquanto está aprendendo o novo.

Sem incentivo contínuo, a tendência é voltar para o conforto do que já se conhecia e aos resultados garantidos. Por outro lado, aquela que atravessa a curva do aprendizado consegue ter resultados muito melhores comparados aos que teria se simplesmente tivesse permanecido com os hábitos antigos.

Para o grupo que teve Coaching e Neurolinguística, após o treinamento, os hábitos novos foram implantados e mantidos. Também passaram pela curva de aprendizado, mas, com as ferramentas da PNL & Coaching, conseguiram permanecer no processo, solidificar o que foi aprendido no treinamento e obter resultado superiores ao que tinham antes.

Para concluir, o modelo estruturado ajuda o líder a escolher melhor as alternativas, mas não aponta as alternativas. Esta é a grande e sutil diferença entre o verdadeiro e o falso Coaching.

Cada pessoa saberá usar o barro, a tinta, a água, a espátula e as ferramentas, mas a arte vai depender do artista. O verdadeiro processo de PNL & Coaching não busca enquadrar a pessoa e sim faz com ela descubra em que quer se transformar.

O objetivo é mostrar um guia de como a PNL & o Coaching unidos podem fazer conquistar objetivos de ser um funcionário exemplar, um profissional diferenciado, um empresário de sucesso.

Seja Mais !