fbpx

Autor: maguiguimaraes

Jornada do Herói com a PNL 6ºEstação: Provação e Renascimento

Jornada do Herói com a PNL

6º Estação: Provação e Renascimento

O conhecimento obtido nas etapas anteriores gera uma compromisso cada vez maior em ajudar o próximo. Se algum talento existe, este deve estar a serviço do todo. Aqui é o momento de entrega total, o que não é nada fácil. As provas se tornam maiores na medida em que as forças superiores impõem testes para aprimorar as aptidões do herói. Agora é descansar carregando pedras. Transitar em dois mundos com valores diferentes, requer um equilíbrio constante para estar transitando nos dois mundos. Estar no mundo sem se identificar com ele é fácil de dizer, mas extremamente desafiador. Estar em absoluta serenidade apesar das adversidades, é um exercício árduo de se manter no centro.

Este é o caminho para transcender o ego, sem bater de frente, investindo menos energia de combater e mais energia de harmonia, o que resulta na melhoria das relações humanas. 

O que é a Felicidade?

Todas as vezes que por algum momento de distração eu me desvio da harmonia, o corpo anuncia uma dor, um mal-estar como se eu estivesse cada vez mais, se afastando de casa. Retomar o caminho é desenvolver esforços para manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo. Segundo Aristóteles, somente os bons são felizes. 

A felicidade de estar cumprindo a missão é um termômetro que sinaliza se estamos nos aproximando ou distanciando dela. 

A infelicidade é um sintoma de que há necessidade de parar, refletir e escolher o que deve ser feito para reestabelecer a ordem do Senhor dos mundos. 

Sentir-se bem é estar na direção certa, retornando as origens, alimentando esperança de recuperar o estado de essência primordial. A tarefa pode parecer simples, mas não é fácil, pois nesta fase o herói será desafiado a aplicar tudo que aprendeu internamente, na convivência com o outro. 

O Herói sabe o que fazer e vai fazer embora se dê conta do imenso trabalho que o espera. As provas servem  para avaliar a performance do herói, ao lidar com o ego do outro e mais o individualismo, incompreensões, distorções e conflitos.   

Na minha vida, o cenário dessa etapa é o seguinte: Casamento em declínio, filhos adolescentes, tempo reduzido, obrigações profissionais, tarefas domésticas, trabalhos da faculdade, cuidados com a saúde, mãe doente, problemas com vizinhos, causas na justiça, irmãos precisando de ajuda, chefes intolerantes e toda uma sorte de adversidades aumentando a pressão e, em meio a toda essa turbulência emocional, instável e delicada,  o desafio do herói em aplicar o aprendizado adquirido. 

Triste

Viver é fácil, mas conviver, realmente é um dos maiores desafios e haja sabedoria para acessar recursos mais refinados e uma inteligência suprema a fim de escolher dentre tantas opções quais aquelas que irão fazer a diferença para harmonizar o caos.

O grau evolutivo de uma pessoa é medido pela capacidade de conviver pacificamente com as outras, mesmo com interesses divergentes, defendendo os próprios valores e ao mesmo tempo, entendendo os valores dos outros.  

PNL e a Intenção Positiva

Nesta fase uma técnica importantíssima que me ajudou a conciliar interesses opostos foi a intenção positiva da emoção e do comportamento. 

A PNL pesquisou e concluiu que a toda a emoção tem uma intenção positiva. É comum julgar a pessoa pela emoção que ela está sentindo no momento, sem analisar o contexto completo. Ao entender a história como um todo, facilita aceitar que o outro tenha de raiva, depressão dentre outras. Parar de julgar a emoção do outro é possível, quando se consegue separar a emoção da INTENÇÃO POSITIVA que gerou a emoção

Vamos entender melhor:

Toda emoção tem uma intenção positiva. A intenção é sempre de defender a pessoa ou defender algo. Toda emoção é positiva na sua origem. O propósito da emoção é valorizar, proteger e guardar algum valor. Quando uma pessoa está triste, a emoção da tristeza pode ser uma maneira  de se manter conectado com algo que não existe mais. Uma maneira de se conectar com o que perdeu. Tristeza é uma  declaração de amor pelo aquilo que se foi. 

Emoções e a programação neurolinguística

Tanto é verdade que algumas pessoas tem a ideia de que se você amou alguém muito e por longo tempo, o luto – o período de tristeza tem que ser longo. A pessoa se sente culpada se ficar triste durante pouco tempo. Se eu fiquei triste por pouco tempo é porque eu não gostava. Algumas pessoas acham que quanto maior amor, o período de tristeza tem que ser longo. 

Em alguns países da Europa, acontecia o costume da viúva ficar de luto durante sete anos e algumas durante a vida inteira. Quanto mais se apega a um sonho, um projeto, uma pessoa, um lugar, um objeto, maior é a emoção da tristeza quando de sua perda. Para evitar se contaminar da negatividade da emoção de tristeza, imaginar que pode ser uma expressão de carinho pelo que não existe mais. 

As emoções

A emoção de dúvida, por exemplo pode ter uma intenção positiva de necessidade de segurança e de se proteger contra riscos. Por sinal, existe um preconceito muito grande no mundo executivo de pessoas que tem dúvidas. A dúvida pode ser um sinal de que a pessoa está precisando de mais dados e não se sente segura ainda, ela precisa de mais informações. Não é porque é uma pessoa é insegura e sim porque precisa de mais dados para tomar a decisão correta. O estado de stress é positivo quando está mandando uma mensagem de que o corpo está precisando descansar e se recuperar.  

raiva é uma tentativa de proteger os valores da pessoa. É natural ficar com raiva quando alguém está fazendo algo que fere os valores. Você pode julgar alguém por ter raiva, mas dá para julgar alguém porque tem valores?  Afinal todos nós temos valores. Lembro-me de chefe que estava se censurando ao sentir raiva, mas passou a sentir um grande alívio quando se deu conta que é humano sentir raiva  diante de uma agressão, ou seja não sentir raiva é uma expectativa irreal.

A questão é aprender a lidar com a raiva, conectando-se com a intenção positiva da raiva é mais fácil aprender a lidar com a raiva a partir de um diálogo inteligente.  

Entender a intenção que está disparando a emoção, é uma maneira de amenizar a tensão e evitar uma reação catastrófica. Uma equipe de trabalho quando se rebela, tem um valor sendo desrespeitado e o bom líder ao invés de rebater ou reprimir, busca entender os valores e direciona a negociação no sentido de valorizar os interesses dos liderados. 

Os ciúmes tem a intenção positiva de reter o ser amado. É uma tentativa por mais distorcida que seja,  para se  demonstrar o carinho que eu tenho pelo outro. Os casais mais modernos vivem uma vida mais livre e se a mulher não tem ciúmes o marido acha estranho e sente a falta de ciúmes como se fosse uma expressão de carinho. A Vergonha é uma tentativa de se adaptar às normas do ambiente. A intenção positiva é tentar ser normal, já que não está se sentindo igual e sim diferente. Não se sente adaptado e quer fazer parte de alguma coisa. 

Todo o comportamento, por mais esdrúxulo que pareça também tem uma intenção positiva. Até o suicídio, tem tem a intenção positiva pois a pessoa quando quer dar fim a sua própria vida, está querendo mesmo é se livrar de uma extrema tristeza ou depressão. Então fica claro que nas relações humanas o melhor é a imparcialidade, ou seja, não julgar emoções, nem pessoas. 

O Homem e o dragão

Ganha a luta o guerreiro que não perde tempo reclamando do tamanho do dragão, e sim entende o propósito e os motivos subjacentes de cada emoção, comportamento e fatos da vida.   

Compreendido isso, mãos a obra.

Papel e lápis para traçar as estratégias de enfrentamento:

Para o casamento em declínio, a melhor saída é entender que valores estavam precisando resgatar para reestabelecer a união;

Para me reaproximar dos filhos adolescentes, aumentei a escuta para entender as necessidades deles;

Quanto ao tempo reduzido, eliminei tarefas desnecessárias;

Quanto a profissão, estabeleci metas de produtividade; quanto as tarefas domésticas, dividi responsabilidades.

Conectada com a intenção positiva das emoções, consegui equilíbrio emocional,  ressignificando que problemas são desafios para estimular o crescimento pessoal, e gerei mais espaço para criatividade encontrar soluções para vencer as adversidades. 

Dessa forma, todos os “inimigos” eram transformados em oportunidades para trabalhar a paciência, a capacidade de resolver conflitos e manter a equanimidade seja lá como esteja o humor do dragão. 

Aprendizado

1. Todo comportamento, emoção ou fato da vida é uma oportunidade de crescimento.

2. Tudo pode ter vários significados.

3. Entrar em contato com a intenção positiva dos comportamentos, emoções e fatos da vida, é ter inteligência emocional

4. A vigilância é constante. 

5. Nada é bom ou ruim, tudo é bom quando ajuda no processo evolutivo

6. Quando o desconforto aparece, é hora de pensar, o que deve ser feito para retomar o caminho.

Rebento

Casei com a liberdade
Fiquei grávida da solidão
Comerei espaços vazios
Vou precisar de muito ar, sol e água
E, também, de silêncio
E no tempo em que meu rebento nascer
Eu vou me lembrar de como eu era..
Porque ele sou eu renascido.

– Magui Guimarães

O Curso PNL da Escola de Ciências Comportamentais está com as inscrições abertas com início das aulas presenciais em Agosto, a sua jornada quem faz é você!

824

Jornada do Herói com a PNL| 5° Estação – Travessia do Homem Comum ao Herói Interno

Jornada do Herói com a PNL

5° Estação – Travessia do Homem Comum ao Herói Interno

Travessia do Umbral. Nessa fase, resolvi abraçar definitivamente e determinantemente o processo evolucionário.  Integrar um novo mundo ao meu velho mundo. Esta decisão foi motivada por vários fatores, dentre eles, não suportar mais tomar calmantes  para dormir, energizantes para espertar de dia.  Vontade de saber como é dormir sereno e acordar feliz. A vontade de conhecer algo mais sutil, mais verdadeiro que me trouxesse uma satisfação de viver, era gritante. Abri a escuta do meu coração e recebi a certeza de que todos os perigos, os obstáculos, as adversidades, os incômodos valerão a pena se for  para realizar a minha humanidade.

O Ego

A tarefa de domesticar o Ego, tem sido um processo de atenção constante.  Em cada momento estar consciente dos movimentos egoístas, é uma atividade que requer disciplina. Quando me distraio o Ego volta com toda força, julgando, separando e dividindo

Uma das grandes técnicas da PNL é a observação imparcial, apenas descrever o que ocorre, por exemplo: pensamentos mesquinhos, ressentimentos, mágoas, desejos inconfessáveis, vingança.

Ao perceber estas forças internas, constato o aparecimento delas, sem contudo adjetivar. A imparcial, a ausência de juízo de valor facilita o domínio. Apenas observo, sem combater, apenas atesto, sem críticas, sem adjetivos. 

O Ego

Longe de eliminar, excluir e vencer o Ego, optei por integrá-lo a uma causa maior. O Ego mal dirigido alimenta o materialismo, arrastando o homem a uma vida banal de atender a desejos reforçados pelos cinco sentidos, criando um corpo débil em busca das delícias passageiras e por melhores que sejam, ainda assim, não conseguem aplacar o vazio existencial.   

O “Ego” o “Eu Essencial e a PNL

A medida do Ego não tem fim, e é muito bem representado pela figura do dragão, expelindo pela boca e narinas, o fogo do consumismo exagerado.

O Ego

O herói de si mesmo para vencer o dragão interno, convida-o a servir. O Ego   é um excelente servidor e um péssimo senhor. O Ego é de grande utilidade quando está a serviço do Eu Essencial, contribuindo para uma causa maior que dignifique o herói a lutar pelo Bem, o Belo e o Justo (Tríade de Platão).

Após aceitar o Ego como um servidor auxiliar do processo evolucionário, é o momento de analisar o que causa as distorções do Ego. 

A Programação Neurolinguística – PNL dá uma contribuição valorosa ao identificar que o sistema de crenças é o grande vilão que afastam o herói da jornada.  

Rejeitar o ego, brigar com ele é perder energia em vão, pois o Ego e Eu essencial fazem parte da constituição humana, é a nossa dualidade. A grande tarefa é harmonizar as partes, começando em aceitar o Ego como uma força útil e inclui-lo no processo de crescimento espiritual. 

Crenças Limitantes

Importante nesse momento era descobrir o que acontece dentro da mente que distorce e degenera o Ego para servir unicamente  às causas materiais, o sentimento de prisão e limitação é grande.

Crenças limitantes

A capacidade de auto observação, sem crítica ensinada pela PNL, proporcionou um mergulho mais profundo, descobrindo as crenças que alimentavam comportamentos egoístas e que nos deixam presos, tipo:

“Preciso ganhar todas as vantagens”
“Quando o outro ganha, eu perco”
“O outro quer tirar vantagens de mim”

…e outras frases que estimulavam o individualismo exacerbado e me colocava na ilusão da separatividade, individualidade seguida de auto importância. 

Identificadas as crenças limitantes, agora o segundo passo era transformar crenças de exigência em crenças de preferência. As neuroses estão alicerçadas em exigências rígidas do tipo:

“As pessoas TEM QUE me aceitar”
” A vida TEM QUE ser justa comigo”
“As coisas TEM QUE serem fáceis para mim”
“Todos TEM QUE me obedecer”
“Eu  TENHO QUE ser perfeito”

Esta linguagem do “TEM QUE” dispara no sistema nervoso a adrenalina em excesso, diminuindo a imunidade.

Estas frases impositivas tem um efeito danoso também na fisiologia crispando os músculos do rosto e tornando a respiração curta, o que diminui a oxigenação no cérebro com consequências péssimas para a saúde do corpo além do estado mental de pressão, ansiedade e depressão.  

Quanto maior a expectativa que temos do mundo e das pessoas, maiores são as frustrações, aborrecidos e decepções, pois os outros não nasceram para satisfazer as exigências de um Ego autocentrado.

Reprogramando a Mente com a PNL

A PNL oferece  um conjunto de perguntas que quebra a rigidez da crença limitante  e constrói outra nova crença mais flexível.  

Além de perceber que  não sou o centro do mundo, passei a  fazer uma mudança na minha programação neurolinguística, reconstruindo as frases da seguinte forma:

➡️ Eu prefiro que as pessoas me obedeçam, facilitem as coisas para mim, que me aceitem como eu sou, que sejam justas comigo, e que sejam perfeitas, mas se isto não acontecer não é uma catástrofe, eu tenho capacidade de absorver contrariedades, ninguém vai morrer por causa disso, isso é apenas é um inconveniente. 

PNL Programação Neurolinguística

Usando estas frases, amenizei o nível de exigência e obtive mais inteligência emocional. Conclui que a  qualidade de vida começa na qualidade da linguagem.   

O fato de estar fazendo alterações na linguagem é caminho sem volta, pois a palavra é a raiz do comportamento e das emoções.

Dessa forma a transmutação, a alquimia interna, atingiu o âmago do meu ser, pois o som da palavra é a magia estrutural que sedimenta um processo de autoconhecimento, com início e que jamais terá fim.

Ao reformular o patrimônio de crenças, acontece a  depuração  das emoções e  junto,  temperança, uma espécie de harmonia entre as partes conflitantes. A partir dessa experiência, finalmente estabeleço a ordem interna e assumo o comando do processo emocional e o autodomínio de que quem manda é o EU essencial e quem obedece é o ego. E o “eu” essencial resolveu assumir o comando do “eu” animal.

No  início,  requer vigílância, perseverança, disciplina e constância, depois automatiza.

Adquiri como hábito, dar mais atenção ao uso a palavra, pois o som tem uma vibração, uma força que por sua vez, gera um impacto no sistema nervoso e no ambiente.

Observe a diferença entre dizer:

“Estou preocupado”

e dizer:

“Eu sou atencioso”

Ao invés de dizer:

“Sou nervoso”

dizer

“Estou nervoso pontualmente com tal fato”

E assim, venho adquirindo o domínio de tal forma que hoje, quando o egoísmo se manifesta eu apenas o reconheço e, isto é o bastante, para que haja uma retração, facilitando a harmonia.

Mente

Sou eu renascendo de mim mesma, tomando posse de mim mesma, e vencida a grande batalha interna, é possível levar o foco em harmonizar o mundo externo. O uso de uma linguagem consciente e libertadora possibilita despertar o sagrado realizando um casamento do corpo, da matéria, do ego com o espírito, a energia cósmica, o Eu divino, unindo-se para ser ponte entre o céu e a terra. 

Ao integrar o Ego com o Eu divino, venci a mim mesma, renasci para o serviço em prol de uma causa maior.

Aprendizado

1. O amor é inclusivo, não exclusivo;

2. A aceitação do egoísmo é o primeiro passo para alcançar o altruísmo;

3. A verdadeira batalha é interna;

4. Cada respiração é uma oportunidade de morrer para o velho e nascer para o novo;

5. Para vencer o mundo externo, há que vencer a si mesmo;

6. Todos temos um potencial interno a ser despertado;

7. Nada será como antes;

8. A busca do herói é fundir sua identidade com o UNO.

Espelho
A mente pensa
A mente pensa
Conceitua o inconceituável
Estagna o curso do rio
Adjetiva o voo do pássaro
Estabelece regras
Impedindo o natural movimento de ser
Acorda, finalmente do torpor
De imaginar e supor
E com olhos limpos e abertos
Olha para a possoa
E vê…
E se vê nela
Emundo junto com ela
A cada instante,
O modo de ver.

– Magui Guimarães

Saiba como conseguir conciliar e coexistir pacificamente com suas partes e continuar a jornada. O Curso PNL da Escola de Ciências Comportamentais está com as inscrições abertas com início das aulas presenciais em Agosto, a sua jornada quem faz é você!

Jornada do Herói com a PNL 4ªEstação: Provas e Mentor

Jornada do Herói com a PNL

4ªEstação: Provas e Mentor

O encontro com os mentores ocorreu no curso de formação em Programação Neurolinguística – PNL. Os professores mais experientes criam provas para testar o discípulo e forçá-lo a diante de uma situação, tomar uma decisão assertiva. Agora, aos quarenta anos, não dava mais para fingir “estar bem”.  Era o momento de encarar a minha pequenez e resolver o que fazer daqui pra frente. De agora por diante tornou-se impossível fugir de mim mesma. As dinâmicas realizadas durante o curso me colocavam de frente  com as sombras. Agora era a hora da verdade nua e crua.

Aos quarenta, após muitos altos e baixos, várias angústias, insatisfações, frustrações e sofrimentos comecei o processo educacional da PNL, no ano de 1990, e consegui finalmente estruturar o meu autoconhecimento, um encontro verdadeiro comigo mesma, limitações e potenciais. 

Eu não era o que imaginava, mas poderia a partir do encontro com a verdade, começar a desenhar a pessoa que nasci para ser. Considero a autoconsciência a maior conquista do ser humano. Eximir-se dessa tarefa é inutilizar-se, é perder-se em distrações que distanciam a humanidade de sua real missão. Os cinco sentidos, encantam-se com ilusões e nada de realmente evolutivo se processa. 

O monstro interno

Em Gizé, uma região no Egito, na entrada da esfinge, existe placa onde está escrito, Decifra-me ou devoro-te. Ou a gente se descobre ou o monstro interno vencerá. Existem vários véus encobrindo o mistério humano, e somente os corajosos se submetem a retirar as capas, uma a uma até encontrar a essência encoberta pelas aparências.  

Decifra-me ou devoro-te

É possível realizar horizontalmente muitas coisas e ser uma pessoa de “sucesso”, o que é absolutamente inútil, do ponto de vista da evolução do espírito. Os sucessos dentro dos padrões da sociedade consumista podem servir de armadilhas  caso a pessoa se encante tanto com as conquistas materiais que se esquece de verticalizar para descobrir verdades mais profundas. O real crescimento é para cima enquanto os perdidos ficam buscando as saídas pelos lados. 

A PNL fornece uma grande ajuda na medida que mostra como algumas pessoas que estão mais avançadas, conseguiram entrar no processo de autoconhecimento, autodesenvolvimento e autorrealização. 

Primeira Prova

A compreensão inicial é entender que a forma como descrevemos o mundo, não é o mundo, analogicamente mapa não é o território. Nossa representação do mundo feita através de palavras, imagens e sensações é apenas uma forma de entender utilizando a da capacidade mental, de diferentes dimensões para cada pessoa. 

Tem gente que tem capacidade de um dedal e outras tem a capacidade de uma escavadeira.

Mesmo que a capacidade seja grande para absorver um número maior de informações, mentalmente temos apenas um mapa representativo da realidade, mas não tocamos na realidade tal qual ela é em si mesma. 

Esta, é uma prova muito sutil e quando conseguimos passar por ela, nos tornamos humildes diante da imensidão do mistério cósmico, nossa atitude é de respeito e referência ao desconhecido. É a primeira prova da qual saímos com a consciência de que olhamos e não vemos, ouvimos e não escutamos, sentimos e não percebemos. Os cinco sentidos são os cinco abismos que o herói atravessa com humildade diante da grandeza da criação.

Segunda Prova

A segunda prova é a da autopercepção: – Diante de um mundo tão grandioso, quem sou eu, o que estou fazendo aqui, o que esperam de mim, de onde vim e para onde vou.   

Viver em função de comer, beber, dormir e acasalar é comparar-se a um animal. Existe algo mais além dos instintos. A partir da descoberta da missão, a vida passa a ter um sentido, uma razão de ser que servirá de bússola na trajetória. 

Jornada

A descoberta da missão requer a conexão com as leis da natureza, caso contrário o ego irá interferir construindo uma missão absolutamente material, fora do plano divino.  

A verdadeira missão humana está na prática da fraternidade, usando os talentos a serviço do benefício do todo. A partir da descoberta da missão, a vida passa a ter um sentido, uma razão de ser que servirá de bússola para orientar como chegar ao porto seguro. 

Todo herói na caminhada recebe as benções de um protetor e a missão é tipo uma capa invisível, uma poção mágica, um superpoder que garante vencer os obstáculos para que a missão seja cumprida.

O terceiro passo é a operacionalização da missão que requer muito mais do que uma mera transformação ou seja, mudança na forma. A transcendência requer uma missão, fruto de uma transmutação. Os alquimistas medievais acreditavam que a verdadeira transmutação  é aquela em que o homem de chumbo se transmuta em homem de ouro, isto é,  muda a substância.

As técnicas da PNL 

Nesse ponto também as técnicas de autoconhecimento da PNL falam da importância de definir com detalhes do ponto de partida, denominado de estado atual, o início de uma caminhada para o estado desejado

Ter vontade de ser altruísta requer, por antecipação de se reconhecer egoísta. Este é uma prova que exige muita humildade. Durante o curso de PNL senti na carne a dor de me reconhecer soberba, invejosa, avara, irada, gulosa dentre outras características difíceis de aceitar. É doloroso saber que aquilo que condenava nos outros era apenas um reflexo de mim mesma.  

Antes da PNL, quando estava prestes a me desnudar, recorria a distrações com comida, bebida, balada, programas de televisão para camuflar estas visões das sombras internas. Porém, à luz da consciência é o melhor antídoto, e além de revelar os vícios, mostra um potencial de virtudes, sementes querendo despontar.

Muitos desejam mudanças comportamentais sendo mais calmo, por exemplo, e quando não conseguem, pensam que são incapazes e com isso afeta negativamente a autoestima, achando que são incapazes de melhorar.   Mas não conseguem porque não sabem o “como”, ou seja o método. 

A PNL pesquisou que os homens exitosos conhecem o funcionamento  da mente e mandam comando eficientes para concretizarem seus objetivos.  Além disso, comunicam-se da forma científica utilizando informações de alta qualidade e por isso tornam-se expert nas relações humanas. Outro resultado brilhante descoberto pela PNL, é a estratégia mental de construir imagens da pessoa que queremos ser:  se quer ser altruísta, a técnica é perguntar “Como” a pessoa altruísta se comporta.  

Todos podem saber o que querem ser, mas o segredo está no “como” é o processo passo a passo. 

Quanto maior a capacidade de criar imagens dos comportamentos que queremos adotar, maiores são as chances de conseguir a transmutação de egoísta para altruísta, nervoso para calmo, grosseiro para amoroso, ou qualquer outra qualidade, requer efetuar comandos na linguagem visual em que a mente e o cérebro possam se comunicar através de imagens.  

Recapitulando, a escolha de ser altruísta é um passo importante, mas para conseguir que  seja uma realidade psicossomática existem três ritos básicos, simples e imprescindíveis.   

O primeiro é criar uma imagem, uma cena do comportamento almejado. A cena do comportamento pode ser construída através de um modelo interno ou externo. Podemos encontrar um modelo externo que nos inspire ou ser o próprio modelo o que permite a automodelagem. 

Trata-se uma excelente técnica da PNL para conseguir pinçar um comportamento desejado. Afinal, somos um poço de experiências as quais podemos acessar os modelos internos com facilidade utilizando a memória para resgatar no passado cenas de comportamentos já executados que estamos, agora, querendo replicar.

Por exemplo, se a pessoa escolher ser mais serena, deve entrar na linha do tempo e fazer uma regressão se perguntando:

Em que momento da minha vida no passado eu me comportei de forma serena?

Esta pergunta gera uma pesquisa transderivacional, e o google particular da mente traz uma resposta precisa. 

Em um momento da minha vida, precisei desapegar de um cargo no meu trabalho e não conseguia dormir de noite, quando me lembrei de que no passado, havia sido capaz de me desapegar de todos os meus pertences (com exceção da coleção de livros Barsa). Foi mágico quando me associei ao momento de desapego passado, trazendo-o para o presente, e finalmente consegui vencer o apego, abrir mão do cargo e conquistar a serenidade diante da perca. 

Uma vez necessitei ter um comportamento de perdão onde uma pessoa havia me caluniado injustamente e não conseguia encontrar no meu passado, na minha história de vida um momento onde eu tivesse sido capaz de perdoar. Lembrei-me então de um modelo externo de Madre Tereza de Calcutá que passou a ser minha grande inspiração, de tal sorte que quando chegavam as provas eu me perguntava: Nessa situação se eu fosse Madre Tereza como eu agiria?

Imediatamente minha mente formava a imagem das ações e era mais fácil fazer o espelhamento de um modelo externo e adquirir recursos internos  para vencer mais uma prova. Daí por diante estabeleci vários modelos, cada um, com determinadas capacidades e comportamentos específicas para cada caso. 

Mito é a fórmula geral de evolução
Em cada degrau tem um mito para ensinar
Para que o mito possa ajudar ultrapassar a próxima barreira
Localiza em que degrau está pra puxar um doador mágico

Assim como uma mesa para existir, precisa antes ser projetada na mente de seu criador, eu comecei a construir a imagem do ideal. Vale ressaltar que se trata de imagens de comportamentos que estejam alinhados com a missão de vida.

Cuidado com a mídia que cria padrões de sucesso vazios e supérfluos.

E a cada prova que aparece, tenho recursos para avançar, e embora saiba que batalha é longa e exige vigilância constante, a vitória é certa pois tenho um modelo que deu certo já testado.

Este é caminho do herói que se propõe a construir um mundo a partir de uma transmutação interna. Se eu quero encontrar pessoas fraternas, tudo começa na busca de um modelo fraterno e depois descobrir o seu modus operandi e espelhá-lo. 

Assim, é possível transmutar os vícios, a competitividade em cooperação, a auto importância em humildade, a mania de julgar em observação,  o egoísmo em fraternidade, a inveja em admiração, a gula em equilíbrio, a preguiça em proatividade, a avareza em generosidade e muito mais.  

Estas são as provas da saga do herói que inicia com a vontade de melhorar e depois, a coragem de enfrentar e, por última a satisfação do herói de estar subindo a escada evolutiva, vencendo os vícios e praticando as virtudes.

Ninguém atinge um degrau mais alto na natureza,
sem cessar de existir em um local mais baixo.
Abandona sua vida se queres viver. 
É morrendo que nasce para a vida eterna
Em verdade vos digo que ninguém entrará no reino dos céus
 se não nascer de novo.
Solve nesse plano com a gula no outro
Renasce purificadoSomente o nascimento pode vencer a morte.

Aprendizados:

1. Ser bom é um ato de inteligência que leva a felicidade;

2. Harmonizar dois mundos diferentes é missão heróica;

3. Quero estar grávida do meu melhor;

4. Quanto mais sabedoria, mais compromisso com o todo;

5. Cuidar mais do coração do que do corpo;

6. A culminação da Sabedoria é a fraternidade;

7. As sementes do futuro estão no presente.

Eu sou

Eu sou…
O contrário de mim mesma

A pressa da vagareza
O veneno do antídoto
O nada do todo
O anverso do verso
O silêncio do verbo
O mudo que tudo diz
A alegria do infeliz
A tristeza do felizardo
A solidão do acompanhado 
O doce do fel
O amargo do mel
A água do fogo
A escuridão que conduz
A treva da luz
O amor do ódio
O início do fim
O todo sem mim

– Magui Guimarães

O Curso PNL da Escola de Ciências Comportamentais está com as inscrições abertas com início das aulas presenciais em Agosto, a sua jornada quem faz é você!

Jornada do Herói com a PNL 2ª. Estação: O chamado para à aventura (O mundo vai ser quebrado)

Jornada do Herói com a PNL

2ª. Estação: O chamado para à aventura (O mundo vai ser quebrado)

A contra gosto, fui chamada à aventura. A rotina foi quebrada por algo inesperado, insólito e incomum. Esta quebra na normalidade me obriga a conviver com as frustrações. Despeço-me da infância e entro no mundo sombrio e desconhecido, inseguro, tendo de buscar o sustento material.  Tenho medo de ficar presa no mundo de necessidades e perder de vista meus sonhos, ou aquilo que tem real importância.

Passada a fase da infância, os acontecimentos me apontavam para entrar em outra fase que marcava o início do amadurecimento que não é nada mais, nada menos do que a capacidade de se adaptar aquilo que ainda não temos capacidade para transformar.  

Antigamente eu era o centro do mundo e agora, com a chegada na família, de um filho homem, meu pai concentrou todos os olhares e atenção para meu irmão, deixando-me em segundo plano.  Encantado com a experiência de ter um filho homem, me fez sentir apenas como um acessório descartável.   

Vivenciei a primeira morte ao matar dentro de mim a condição de filha única, para renascer a irmã. Somente mais tarde iria aprender que a morte só perde para o renascimento, mas naquele momento, com poucos recursos emocionais, vivi então a primeira sensação de ser preterida, de ver meu irmão sendo o queridinho do papai, e instalei a primeira crença limitante que só fez piorar a sensação de abandono. 

Passei a acreditar que “filha mulher não é amada pelos pais”. Esta crença me fazia triste e com raiva de ter nascido mulher. Rejeitei a boneca e mesmo quando me tornei mãe, valorizei mais os filhos homens do que as filhas mulheres. 

Carreguei esta tristeza de uma suposta condição inferior, por muito anos, durante os trinta e quatro anos seguintes, desprezei a condição feminina.

Refúgio

Na época, para aliviar a carência de afeto, como uma forma de compensação psicológica, recorri ao mundo dos livros para focar minha mente na descoberta de informações, histórias, conhecimentos e assim, tornei-me primeira aluna da classe e ganhei a admiração de professores e colegas. 

Recorri ao mundo dos livros para focar minha mente na descoberta de informações

Crescia como pessoa, na medida em que criava formas para superar as carências. Somente muito tempo depois, aos quarenta anos de idade, aprendi com a Programação Neurolinguística – PNL uma técnica de desconstrução de crenças limitantes e a partir daí, comecei a entender a beleza e a delicadeza do feminino dentro de mim.  

Reaprendi a ver na mulher a força aglutinadora do amor.  Refiz minha história de vida aceitando minha parte feminina, reeditando as cenas em que supunha que estava sendo rejeitada pelo meu pai, venci o dragão que me consumia com seu fogo ardente. 

Retornando novamente ao passado, especificamente ao sentimento de rejeição, quando meus pais resolveram dar um fim ao juramento de “unidos para sempre”, tive outros chamados para o crescimento com a chegada da segunda decepção com a separação dos pais e demolição do lar e a falta de dinheiro, e toda uma instabilidade emocional.

Era a hora de enfrentar outro dragão chamado apego aos confortos: quarto com aquecedores,  geladeira com comida, a enciclopédia Barsa, bons colégios e agasalhos.

A realidade era o frio das ruas e a dor do estômago vazio. Perdemos a casa, com tudo que havia dentro pois meu pai, em um acesso de raiva, nos expulsou de casa, não poupou nem o meu irmão, e minha mãe sem parentes e recursos, nos alojou em um viaduto, onde dormimos enrolados em jornal para diminuir o frio. Tudo ficou para traz e quanto mais eu me lembrava do que tinha perdido, mais aumentava a dor.     

O Inconsciente 

Para amenizar a sensação de sofrimento, utilizei inconscientemente como um mecanismo de defesa, uma técnica que a PNL da dissociação do problema e associação à solução.

A técnica consistia em formar uma imagem mental de tudo que eu precisava me desapegar de forma dissociada, ou seja: como se a cena estivesse acontecendo em um palco e eu sentada na plateia na condição de espectadora. Ao criar uma cena mental dissociada, a emoção desagradável tornava-se menor. Ao criar cenas desagradáveis dentro da tela da minha mente, sempre fazia de maneira a me imaginar sentada na plateia longe do palco, o mais longe que  eu pudesse ficar, pois quanto mais longe, menor será a sensação. 

Ao criar uma cena mental dissociada, a emoção desagradável tornava-se menor

Assim, usando de um recurso mental,  conseguir suavizar a dor de deixar tudo para traz, menos a coleção completa da Enciclopédia Barsa que levei comigo, arrastando pelo chão, envolta em uma colcha grossa e amarrada em um cinto. Encontrei forças para levar os livros, fazendo a técnica da associação, ou seja, eu me associava vendo as palavras do livro aberto na minha frente, ouvindo minha voz lendo as informações, e minha mente assimilando o conhecimento e sentia uma enorme satisfação. 

Passei a me dissociar do peso de carregar os livros, e me associava a satisfação do conhecimento adquirido, cada vez mais, forças para manter os livros perto de mim,  pois se o peso do papel era grande, o valor do conhecimento era maior ainda. 

A Ponte para o Futuro

Saltei da infância, para fase adulta, sem passar pela adolescência. Quando fiz o curso PNL, descobri que usei, empiricamente, outra técnica mental chamada ponte para o futuro, na qual me associava às cenas imaginadas no futuro de como gostaria de estar após conseguir o objetivo.

Ponte para o futuro

As vicissitudes advindas da falta de dinheiro, comida, teto, eu as imaginava como cenas passageiras e, deitada em um banco de praça pública, criava na  mente cenas  futuras, e dizia internamente, que “a situação de desamparo é passageira”, “é somente uma fase”, e criava cenas futuras, onde dormia em uma cama olhando para o teto de um quarto.

Este sonho movia os meus músculos no dia seguinte a caminhar para procurar trabalho, ou pedir esmolas, mas sempre com a ideia de que aquele momento não ia durar para sempre.   

Minha mente era preenchida com cenas de objetivos futuros já concretizados, e eles fortaleciam meus músculos, braços e pernas.

A técnica da PNL  de automotivação consiste em encarar o presente tal como ele é, mas em se concentrar na cena do objetivo futuro já alcançado e imaginá-la com cores,  como se fosse um filme, ou seja, em movimento.

E assim, criava a cena de estar lendo meu nome na lista de aprovada no vestibular, e também, outra cena vendo minha carteira profissional sendo assinada e eu iniciando no meu primeiro emprego. Estas cenas imaginadas com muita luz, cor e movimentos funcionavam como estímulos que eram alimentadas diariamente, junto com os primeiros raios do sol, todas as manhãs.

Dentro de nós

Anos depois, ao fazer o curso de Neurolinguística, tomei consciência de um pressuposto da PNL de que “Todos temos todos os recursos de que necessitamos para vencer quaisquer desafios”. O acesso aos recursos são feitos usando a imaginação, pois o neurônio – célula do sistema nervoso, dispara estados correspondentes ao temos a capacidade de imaginar, e desta forma podemos criar as melhores condições internas para ter disciplina e persistência e concretizar  os objetivos;  e foi exatamente o que aconteceu.

Estudava com uma apostila emprestada, de noite em um poste de praça pública, por falta de energia elétrica em casa, e consegui, finalmente passar no concurso de um banco público.  

Ao participar do curso de PNL, descobri o quanto acessei , nos piores momentos da vida, a técnica da dissociação para diminuir a sensação de dor no presente, e a criar mentalmente os melhores momentos, e me associar a tudo de bom para aumentar a alegria com a concretização de objetivos futuros.   

Atualmente, eu uso a técnica dentro de uma consciência, e me associo a todos os momentos bons, como o recebimento de um elogio, de uma promoção e de uma conquista pessoal para fortalecer a autoestima. De tal forma que elaboro cenas mentais em que me encontro no palco do teatro, atuando dentro de mim mesma, sendo protagonista da minha própria vida. E assim, desta forma, fazendo uma associação a momentos agradáveis, aumento a sensação de prazer que me impulsiona para continuar persistindo. 

Assim, age o herói, se dissocia do medo do dragão e se associa a satisfação de salvar a princesa.

Descobri que a arte de viver é registrar fatos desagradáveis de forma dissociada, isto é vendo do lado de fora, e os fatos agradáveis de forma associada, estando dentro da cena. É importante antes de dissociar, tirar o aprendizado pois tudo na vida tem valor de mensagem.

Nada acontece sem um propósito. 

Hoje, percebo o quanto as dificuldades foram importantes para que eu construísse minha fortaleza interior. Antes de dissociar é importante entender o significado, ou seja o aprendizado embutido no acontecimento. Depois de entender a lição, pode-se diminuir a sensação de desconforto. Mas é importante abraçar o desagradável por maior que  ele seja, pois  quanto maior o dragão, maior a satisfação em vencê-lo.

E foi assim, que eu sobrevivi ao processo da lagarta deixando o casulo… pensando no voo da borboleta.

Tudo está em mudança, nada morre. 
O espírito vagueia, ora está aqui,
Hora está ali e ocupa o recipiente que lhe agrada,
 pois o que existiu já não é, 
e o que não existiu começou a ser e assim,
todo o ciclo de movimento se reinicia

Ovídio

Aprendizados:

1. O que não me mata me fortalece, e a cada dificuldade me torno mais resistente. 

2. Dependendo do desafio, escolho modelos de pessoas que souberam vencer com inteligência. Modelos diferentes para situações diferentes. 

3. Nos piores momentos consigo resgatar as maiores forças.

4. Em situações limites crio alternativas de soluções. 

5. Quando desapego, o sofrimento é menor. Abro mão e penso que lá na frente vem coisa melhor. 

6. Cada desafio vencido, viro a página e espero o próximo

7. Observando aprendo até com os tolos. 

8. Tudo passa

9. Ao invés de reclamar que a vida está me dando pouco, aumento a minha capacidade de receber. 

10. A vida tem um sentido para estas passagens que ela nos propôs. Cada uma delas tem uma coisa para me ensinar

11. Posso entrar na crise por dois motivos: por demérito porque fui desatenta em alguma questão, ou por mérito, ou seja: fiz tudo o que tinha de fazer, cumpri as etapas anteriores, e mesmo assim acontece algo que me empurra para crescer ainda mais e ir para outro patamar.

12. A crise é um sintoma muito positivo, momento de crescer.

Rebeldia

Por entre muros de aço
Voam meus pensamentos alados
E diante do cético
Percebo a esperança

Cegam-me os sensatos
Mas minhas mãos tateiam
As diferentes formas da razão

Decepa-me os membros
Oh! Pai dos medos e das culpas.
Dos confins ressurgirá minha fertilidade

Devoram-me as abomináveis pessoas  
Ditas perfeitas e corretas, porém falsas e estéreis 
E minhas vísceras se enterrarão na cova
Dos que são verdadeiros, autênticos e sinceros

E morrerei criando e crendo,
Mais nos ensinamentos extraídos dos erros dos aprendizes
Posto que, Deus perfeito, criador dos mundos
Abriu espaços para os deslizes
De seus divinos filhos humanos. 

– Magui Guimarães

O Curso PNL da Escola de Ciências Comportamentais está com as inscrições abertas com início das aulas em Agosto, esse é o primeiro passo para grandes conquistas!

A Jornada do Herói com a PNL 1ª Estação: Vida Comum

A Jornada do Herói com a PNL

1ª Estação: Vida Comum

Tudo termina onde inicia…

Os heróis têm uma trajetória e reúnem, em si, os atributos necessários para superar, de forma excepcional, um determinado problema. Vibramos quando ele aparentemente, sem chances de vencer, ou seja, um simples sujeito sem a mínima condição, infla o peito, levanta a cabeça e enfrenta a fera, guiado por ideais nobres e altruístas como: liberdade, sacrifício e coragem.  

Tem heróis que são guiados por vingança, mas suas motivações são fazer justiça. Tem felicidade maior do que assistir a vitória do herói que enfrentou  batalhas e no desfecho, vê-lo receber a recompensa?

Herói do Cotidiano

Os heróis das revistas e dos filmes, assim como aqueles da mitologia grega, recebem atributos físicos extraordinários como corpo à prova de balas e capacidade de voar, mas e o herói do cotidiano? Como fica aquele que é colocado em um mundo sem sentido, com grandes necessidades insatisfeitas, exigências e cobranças, exploração do homem pelo homem, encontrar a saída desse labirinto? 

Labirinto da vida

O nosso herói do cotidiano perdido diante de um mundo ilógico, tem uma arma secreta que se encontra em um lugar a ser descoberto dentro dele próprio. Aparentemente, a luta é fora, mas as armas da vitória que vencerão a guerra, estão no âmago de cada um.

O soldado para dar um passo adiante e enfrentar o inimigo, precisa primeiro acreditar que o significado da luta é maior e, seja lá quem saia vitorioso, o que mais vale, é ter lutado por algo digno que vale a pena.   

Lembro da frase de Gandhi “Lutarei até a morte por uma causa, mas nada me fará matar”, e  também Fernando Pessoa que afirma “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.” 

O verdadeiro herói é aquele que por amor a uma grande causa, vence os inimigos  internos do medo, da inércia, do egoísmo e descobre as armas da coragem, auto sacrifício, desapego e faz justiça.

Gosto muito da cena quando o Clark Kent ao ver a humanidade ameaçada tira a sua roupa de simples jornalista e mostra que seus superpoderes já estão ali, na sua própria essência. Não precisa buscar em nenhum canto, senão dentro dele mesmo.     

Todas as pessoas simples do cotidiano, enfrentam obstáculos, dificuldades, e superam injustiças na medida que entram em um estado de auto superação dos vícios em favor dos valores. A trajetória será mais fácil quando se reconhece a existência de um herói que enfrentará forças em sentido contrário, monstros e dragões na busca heróica de salvar a princesa. 

São mais de sete bilhões heróis no mundo esperando serem descobertos, a maioria sem entender bem o que estão fazendo, mas continuam apesar da confusão de ideias, sentimentos, dúvidas e medos. 

A exemplo dos heróis míticos que são filhos de um Deus masculino e da matéria feminina, os heróis e heroínas do dia a dia, representam simbolicamente a mistura de energias do céu e da terra, de uma parte sagrada e outra, humana. Os mitos servem para nos inspirar a buscar dentro, a união das nossas partes humanas e divinas, e esta é a grande missão interna, a busca do crescimento a partir desse encontro íntimo com o herói que cada um representa nesse grande palco da vida. 

As conquistas do mundo exterior são estímulos para vivermos as experiências internas que é o que realmente tem importância. O herói quando vai lutar com o dragão ele já é um vitorioso porque venceu o medo dentro dele e ascendeu a coragem e a confiança no potencial de forças divinas. O herói consegue se desapegar das perdas ocorridas durante o caminho porque tem uma conexão com a parte que é realmente e definitivamente sua: a essência imutável. 

Salvar a princesa é somente um pretexto para resgatar as virtudes, e quando o guerreiro resolve lutar, ele já ganhou a luta contra a imobilidade da preguiça, do comodismo, da inércia e estagnação para se colocar em marcha.   

Cada ser humano quer tenha consciência ou não  é um herói do dia a dia, um herói sem capa aprendendo através de tentativa e erro, acumulando aprendizados, sentindo o gosto da derrota e da vitória, continuando o trajeto sem saber ao certo qual o desafio o espera na próxima estação e mesmo assim coloca-se de pé e continua a jornada.

A Jornada do Herói

Joseph Campbell estudou o que existe em comum nos mitos e contos de fadas, assim, descobriu que a jornada dos heróis tem uma estrutura com vários passos e nós, vamos caminhar por todos eles nos próximos artigos, contando histórias, poesias, aplicando técnicas da Programação Neurolinguística – PNL e relacionando o aprendizado.

Quais são as etapas? 

1ª. Vida Comum 

2ª. O Chamado

3º. Medo do desconhecido 

4º. Provas e o Mentor

5º. Travessia do Homem Comum ao Herói Interno

6º. Provação e Renascimento 

7º. Missão, Nova Consciência e Paz Interior

8º. Recompensa

9º. Retorno 

Vamos nessa? Aqui a nossa primeira estação!

1ª. Estação: Vida Comum

Nesta primeira etapa, encontramos o herói ou heroína no mundo comum, que está buscando se entregar totalmente ao que gosta e sabe fazer. Família criada, começa fazendo um retrospecto de sua história de vida, para encontrar o que realmente faz sentido e para isto irá se permitir ao isolamento, adquirindo coragem para encontrar-se com a lagarta enclausurada em sua caverna e aprender o porquê de sua existência, e o que fazer dela e como fazer para cumprir o plano da criação.

Nasci na Vila Philomeno Gomes, na cidade de Fortaleza, na força da luz do sol, faltando dezoito minutos para o meio dia, e aos três meses de idade desci para o sul do país em um transporte chamado “pau de arara”, um caminhão com umas madeiras na carroceria que levava os nordestinos para o sul do país na esperança de uma vida melhor. 

Foram quase dois meses de viagem no colo de minha mãe, meu pai e minha avó Margarida, de quem herdei o nome. Sem dinheiro, o jeito foi ficar em um quarto da pensão da Abigail, no bairro da Mooca, em São Paulo, onde minha mãe era lavadeira e cozinheira, meu pai trabalhava vendendo produtos de porta em porta, e minha avó, em uma máquina de costura marca Singer, bordava o monograma nos lençóis e toalhas da pensão.     

O talento para vendas levou meu pai a melhorar de vida, e aos sete anos morava em uma casa de dois andares, no bairro de Santo Amaro, minha mãe dedicava-se às prendas do lar e eu, conhecia o mundo através dos livros, especialmente na enciclopédia Barsa que lia até dentro do bonde que me levava ao colégio das Freiras.   

Companhia

A  mais maravilhosa de todas as companhias era uma bicicleta Caloi, que me levava a conhecer os bosques das redondezas, especialmente a Chácara Flora, um local de árvores imensas com várias tonalidades de verde, o cheiro das flores, o brilho do sol nas gotinhas de orvalho, formando  uma paisagem encantadora onde a cada pedalada na bicicleta, eu fazia questão de me perder na delícia de uma liberdade que se tornou o maior valor da minha vida. Ali, no meio da natureza extremamente bela, sentindo a leveza do vento e ouvindo a música do silêncio, eu iniciei o meu amor pela liberdade

Anos depois, em 1990, em uma aula de PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA – PNL, descobri que a maioria das minhas âncoras, nome de uma das técnicas da PNL que utiliza estímulos visuais, auditivos e cinestésicos para resgatar estados fortalecedores, aprendi que a natureza foi um estímulo para disparar em mim, sensações boas.

Então, passei a usar este recurso conscientemente, ou seja quando quero me sentir bem, uso a memória no passado  da imaginação para resgatar na memória, as lembranças das belas imagens, dos cheiros e sons da Chácara Flora, e toda aquela sensação maravilhosa de liberdade retorna trazendo todas as sensações  daquele momento passado,  ser revivido no presente.     

Ao entrar em contato com a natureza, acesso um estado de liberdade, o que me deixa em melhores condições para fazer escolhas inteligentes diante das situações mais desafiadoras.

Aprendizado:

1. Tudo acontece para transformar uma vida banal em sagrada. 

2. É preciso saber lidar com a transitoriedade das coisas, dos seres, dos episódios. O ideal é não criar vínculos pois a vida brinca de nos dar as coisas e depois tirar.

3. No curso natural da vida, você vai passar por várias perdas, porém tudo que perdemos é o transitório, e no final ficamos somente com o permanente: a experiência.

4. Seja indiferente ao transitório e não se deixe destruir por ele. O transitório faz parte do jogo das aparências. 

5. O que é real não se perde. “Aquilo que é realmente meu, não pode ser tirado de mim. (Sto Agostinho)

6. Dialogar com a vida é saber o que ela quer de mim. 

7. O aprendizado que se tira dos fatos, faz a gente olhar para traz e deduzir que diante do crescimento adquirido, valeu a pena. 

8. Se não aprender, vai ter que sofrer de novo.

Teimosia

Com fios de formosura
E beleza sem fim
Te teci feio pra mim
Te vi mal e me escondi
Neguei-te enfim.

E para não perder-te
Matei-te, por inteiro,
Com a agulha do medo,
Dentro de mim

Uma grande aventura 
É assim
O começo tem gosto de fim

Inevitáveis fins
Que aumentam 
A magia dos começos

– Magui Guimarães

Quem define o início da sua jornada é você, a PNL tem ferramentas que te ajudam na busca pelo autoconhecimento, autodesenvolvimento, chegando assim, a autorrealização.

O Curso PNL da Escola de Ciências Comportamentais está com as inscrições abertas com início das aulas em Agosto, esse é o primeiro passo para grandes conquistas!

Curso PNL 2020

Negociação e Resolução de Conflitos com a PNL

Negociação e Resolução de Conflitos com a PNL

A arte de negociar exige um conhecimento mais profundo da psique humana, haja vista que envolve aspectos subjetivos desconhecidos pela maioria. Este desconhecimento é a razão pela qual as negociações são momentos de tensão com resultados insatisfatórios.        

Tudo que vamos realizar necessitamos de pessoas. Até para ser ninguém precisamos de alguém. Se quiser fazer algo grande precisa se juntar a pessoas. A questão delicada é que ao juntar pessoas juntamos egos, e egos se confrontam porque brigam por posições, são competitivos e nesta fogueira de vaidades, todos saem perdendo.

Tipos de Negociações 

Existem negociações entre patrões e empregados, empresas e sindicatos, entre bancos, entre marido e mulher e pais filhos. As mais delicadas são as negociações de conflitos familiares que envolvem fortes emoções, algumas machucam, deixando marcas profundas nas relações pessoais.  

Conflitos

Isto acontece porque cada envolvido quer ter razão e desta forma os conflitos duram por anos, pois ninguém possui a razão, mas cada um possui as suas próprias razões. É raro encontrar pessoas que entendam a razão do outro, pois requer um alto grau de evolução, de desapego, de sabedoria, de flexibilidade para fazer o recuo estratégico com vistas a acalmar os ânimos e abrir caminhos para harmonizar a relação.

O mais comum é que as negociações percam o foco e se transformem em disputas de posição, isto porque há uma dificuldade em separar a relação negocial da relação pessoal.

Durante a conversação com outra pessoa há uma tendência de fazer julgamentos sobre o comportamento do outro, tirando o foco da negociação objetiva e entrando no campo da subjetividade do qual nascem as simpatias e antipatias. No caso de gerar simpatia, tudo bem, porém se gerar antipatia, o negociador está sujeito a deixar-se levar por esta impressão e criar uma barreira para solução.  

Ao invés de se emaranhar em julgamentos dispersivos, o recomendado é que o negociador tenha posicionamentos focados no objetivo da negociação. 

Uma técnica que livra o negociador de ser atrapalhado com emoções desnecessárias é um pressuposto da PNL que diz: Todo o comportamento por mais bizarro que pareça, tem uma intenção positiva para quem o pratica.

Comportamento conflituoso

Quando as pessoas são grosseiras, estão querendo impor sua forma de pensar e serem ouvidas e aceitas. Tem pessoas que agridem para chamar atenção, e assim sentirem-se bem. Maltratam ou se deixam maltratar para ganhar importância ou atenção, nem que seja por pouco tempo. 

Os terapeutas sabem muito bem reconhecer as intenções ocultas dos seus pacientes. Todos os comportamentos visam gerar um bem-estar para si. A psicologia chama de ganho secundário.  

É justo que todos queiram o bem-estar, inclusive é humano querer se sentir bem, o problema é que muitas pessoas não sabem escolher os melhores comportamentos para alcançar o bem estar. Todos estamos certos nos fins, mas errados na escolha dos meios.  

O bom negociar quando percebe que o outro está se comportando de forma inadequada, a fim de manter o próprio equilíbrio emocional e consequentemente, manter o foco no resultado da negociação, o ideal é separar o comportamento da intenção positiva do comportamento, ou seja enquanto o comportamento  é agressivo, a intenção é receber atenção para se sentir bem. 

Foco na negociação

O bom negociador é expert em relações humanas, e entende a natureza egoísta e, durante a negociação, se posiciona dentro de uma compreensão ao invés de entrar no jogo da disputa. A melhor forma de lidar é reconhecer o comportamento como legítimo como por exemplo: – 

“Eu entendo que você quer o melhor para você, se eu estivesse no seu lugar, talvez, também quisesse a mesma coisa, eu entendo as suas razões, no entanto quero lhe mostrar as minhas razões para conseguirmos chegar a uma solução que seja boa para ambos”.  

Ao fazer empatia com a agenda oculta do outro, mostra de forma respeitosa que sabe profundamente, onde o outro quer chegar, e a partir dessa validação do outro, retomar ao objeto da negociação.

No entanto é preciso entender a diferença de confronto e conflito. 

Confronto é uma disputa entre pessoas, conflito é uma divergência de ideias, porém mantendo o respeito pelas pessoas, transformamos confrontos em conflitos que são extremamente educativos na medida que se aprende várias ideias para gerar novas maneiras de pensar sobre o assunto, e todos saem ganhando. 

“Se discordas de mim me enriqueces”. 

Dom Helder Câmara

Conflitos são próprios dos seres humanos, e saber resolvê-los é divino!

Faça uma experiência: ao estar no meio de um conflito na família ou na empresa, exercite descolar  do comportamento do interlocutor e focar na intenção do comportamento, ou seja – o desejo de se sentir bem.  Perceba o quanto é mais fácil fazer empatia quando se consegue separar o comportamento da intenção. Perceba como entender o movimento interno do outro lhe deixa em mais vantagem na negociação.

Negociações são oportunidades de resolver as arestas entre os egos que disputam posições, e na medida que cada um entende os interesses individuais seu e dos outros, é possível encontrar uma terceira alternativa que atenda a todos os envolvidos. A reflexão é: “Você quer ter razão ou fazer negociação”.   

A Proposta da Programação Neurolinguística (PNL)

A proposta da Programação Neurolinguística – PNL, uma ciência comportamental que trata sobre o impacto da palavra no sistema nervoso, é focar na primeira negociação que é aquela feita consigo mesmo. Quem ganhar o jogo interno consegue ganhar o jogo externo. 

Programação Neurolinguística PNL

Ao sentar na mesa de negociação, ao vender um produto, aquilo que se diz internamente irá influenciar positivamente ou negativamente na negociação, como por exemplo aquele vendedor que olha para o cliente e diz internamente: 

“- Este cliente está querendo tirar proveito da minha necessidade de vender o produto e arrancar de mim, o máximo de vantagens”.  

Esta frase irá disparar no vendedor uma energia de fraqueza, ou de aversão ao outro, ou de inferioridade e tantas outras energias que contribuem para um clima tenso e propenso a rigidez de idéias, e retrocesso no processo negocial.   

Mas se a frase dita internamente for:

“- O outro não está contra mim e sim a favor dele”

Confiança na negociação

Esta fala interna irá disparar uma energia de compreensão de que cada pessoa quer o melhor para si, o que ajuda na aproximação e geração de confiança.

Confiança é a base da negociação e, o bom negociador, é o que consegue gerar no cliente um estado de abertura para evitar defesas e agendas ocultas. Na PNL é possível criar aproximação utilizando a técnica do espelhamento denominada de rapport. Esta técnica se baseia no fato de que nos aproximamos de pessoas que são iguais a nós e nos afastamos dos diferentes. 

O Bom Negociador 

O bom negociador inicia uma negociação ouvindo para encontrar similaridades com o parceiro, pontos semelhantes em gosto musical, um livro que já leu, um filme, enfim quando encontramos alguém que tem as mesmas “manias” ou maneira de pensar, ou o mesmo gosto, nós sentimos mais próximos.  

A confiança também pode ser gerada espelhando gestos faciais, corporais ou até mesmo palavras. Preste atenção que quando alguém repete a mesma palavra que você falou é uma prova de que está sendo ouvido, mostra apreço e consideração. Faça o espelhando, acompanhando tudo o que puder acompanhar no corpo e na fala, mas com elegância, discrição e sutileza para não parecer uma imitação grosseira.

Tenha cuidado para evitar acompanhar dificuldades como gagueira, ou tique nervoso, o que poderá ser uma ofensa imperdoável.

Em todas as situações, use o rapport com ética pois uma boa carteira de cliente é feita por indicação e para isso o cliente precisa sentir que você negocia com base em princípios éticos.  

Negociações

Negociações são provas para testar a alta performance mesmo em momentos de tensão, o que requer a sensibilidade, auto percepção, auto domínio e emoções equilibradas, mesmo quando é estimulado a se desestruturar. Flexibilidade comportamental e equilíbrio emocional são habilidades refinadas do bom negociador. 

É fácil manter o equilíbrio quando consegue praticar a impessoalidade, ou seja não levar as provocações para o pessoal e não se ofender com o que o cliente diz ou faz. Quando perceber que está no pessoal, respirar e retomar o objetivo da negociação. Se o meu objetivo é vender uma máquina, pouco importa se o cliente é educado ou não, pois esta informação é irrelevante diante do objetivo. 

É lógico que é melhor tratar com pessoas educadas, mas isto nem sempre acontece. Afinal, você quer negociar ou ter um relacionamento mais próximo?

Respeito e gentileza são as condutas corretas, independente se o interlocutor é respeitoso ou gentil.

Tal postura requer treino em estar sempre voltando ao foco da negociação, sem aceitar os estímulos externos para se sentir bem ou mal. A melhor resposta para responder a um gesto grosseiro é o silêncio e logo depois retomar o processo negocial.  

Observar o cliente sem julgá-lo facilita estar focado no negócio. E a melhor forma é não valorizar gestos desabonadores, e todas as vezes que se sentir propenso a revidar, foca novamente no objetivo da negociação, porque afinal é este o seu maior propósito.

Técnicas para um bom negociador

Outra técnica importante é usar perguntas para descobrir o que o cliente valoriza, pois na verdade, não se compra sabonete, e sim pele macia, não se compra remédio e sim saúde, não se compra roupa e sim beleza, não se compra seguro, e sim tranquilidade.  

Na compra de um carro, o cliente pode estar querendo ter: economia, ou bom desempenho, ou poder de revenda, ou status ou durabilidade, ou conforto, ou segurança, enfim se o vendedor pergunta antes: 

“- O que é mais importante em um carro?” 

É mais fácil fechar a venda pois o vendedor irá usar uma argumentação focada naquilo que é um valor para o cliente. 

Uma ferramenta primordial para o bem negociador é a comunicação. Uma palavra mal colocada pode gerar distanciamento. O bom negociador prima por evitar adjetivos que são juízos de valor, está sujeito a várias interpretações.

Quando se diz quero comprar um curso que seja “bom”, é preciso perguntar o que é um “bom” curso.  Caso não esclareça, pode-se pensar que “bom” é rápido, ou longo, ou vivencial, ou teórico, ou presencial, ou on-line, enfim existem uma infinidade de possibilidades de compreensão que precisam ser especificadas para atender a demanda do cliente de forma a gerar satisfação.  

Assim e somente assim, é possível fidelizar o cliente.  

Mais do que vender, fidelizar!

O atendimento padronizado e um tratamento personalizado são formas de fidelizar o cliente. As empresas têm normas, parâmetros, regras e nem sempre será possível atender as exigências no que diz respeito a prazo, preço e praça, mas em todos os momentos é possível dar um tratamento personalizado que diz respeito ao modo de passar a informação.

Fidelizar clientes

Quanto mais forem utilizadas  informações sensoriais, ou seja informações que passam pelos cinco sentidos, menores são os ruídos na comunicação.  

É mais assertivo uma comunicação na qual usa-se uma linguagem específica sem estar sujeita a múltiplas interpretações. Uma coisa é usar adjetivos: “Quero um produto que seja bom”, outra coisa é usar especificações para descrever o que realmente quer dizer com o adjetivo “bom”.  As negociações sustentáveis são as que se utilizam de informações de alta qualidade. 

Juntando as habilidades de ter foco na negociação, flexibilidade para abrir concessões, confiança através de espelhamento, empatia, comunicação baseada em especificações sensoriais, perguntas para descobrir os valores do cliente e ética, além de fazer bons negócios, terá muitos amigos!

Já conhece o nosso curso de PNL? Ele é um passo importante nessa jornada em busca do autoconhecimento e realização!

Curso PNL

Do Vazio à Plenitude com a PNL

Sentir-se vazio em meio a pensamentos que nos tiram do centro e bagunçam a nossa cabeça é evitável, sim, isso mesmo. Existem formas de conduzirmos a nossa mente e encontrarmos dentro de nós mesmos o caminho para a plenitude, e é isso que vamos ver nesse artigo.

Como trabalhar a IMUNIDADE com a PNL – Parte II

Como trabalhar a IMUNIDADE com a PNL – Parte II

Em tempos onde a insegurança pode falar mais alto e o medo de um inimigo invisível nos deixa reféns de pensamentos negativos, esse artigo é para te ajudar a refletir sobre o poder da mente e como condicioná-la durante esse período.

Na parte I eu expliquei sobre: 

✔ Como você analisa o contexto

✔ Porque é tão angustiante ficar parado em casa

✔ A crise tem algo de bom?

✔ Quais são os impactos das notícias ruins

✔ Mais do que cuidado com a higiene 

➡ Leia a parte I do artigo aqui!

Aqui iremos nos aprofundar e entrar no poder da mente e atuação da PNL (Programação Neurolinguística).

Vamos para a parte II? Boa leitura!

O autoconhecimento ajuda a imunidade

Compreender que temos uma dimensão maior, é se identificar com algo que vai além dos impulsos. 

“Você é um corpo que tem uma alma ou uma alma que tem um corpo?”  

Aristóteles

Se a pessoa responde a primeira (um corpo que tem uma alma), irá se apavorar ainda mais com as notícias de morte porque o corpo é de matéria finita, então a ideia da morte é terrível. Somos uma dimensão infinita em um corpo finito, a morte representa somente uma passagem para uma dimensão maior.

Alma infinita

Ao se identificar com algo divino, é possível entender a ilusão da separatividade e ter um senso de união e responsabilidade com o próximo.

A espiritualidade nos faz mais cuidadosos com o que pensamos e fazemos a fim de contribuir para um mental coletivo mais acolhedor.  Entender que fazemos parte de um grande oceano de consciência, nos coloca na posição de irradiar pensamentos e sentimentos esperança, paciência e fé

A espiritualidade tem alguma influência na imunidade? 

Sim porque quando uma pessoa tem uma relação de confiança e se sente amada pelo poder superior, tem mais facilidade de fabricar a serotonina que além de gerar uma sensação de bem estar, ainda aumenta a imunidade do corpo.

Acreditar em um Pai bondoso que zela por todos nós, e praticar a fraternidade, é muito útil para manter um organismo são. 

Nossa mente tem duas faces, sendo uma virada para cima, refletindo os valores celestiais, que é a dimensão divina que nos ampara e nos protege, e outra parte, virada para baixo que nos conecta com as necessidades de sobrevivência.  Viver as duas nos faz mais completos. 

Espiritualidade

A dimensão superior nos ajuda, e nos momentos de desespero, quando já fizemos tudo que podíamos fazer,  o melhor é desapegar e entregar-nos ao poder superior.

Os cátaros, povo do sul da França, quando foram obrigados a serem queimados vivos, pela Santa Inquisição, decidiram se atirar nas fogueiras dançando e cantando. 

Sócrates aceitou beber a cicuta, Mandela continuou na energia amorosa durante trinta anos preso injustamente. Permaneceu  com a mente lúcida, sem desespero e mágoas.   

Acreditar que a morte não é o contrário de vida e sim de nascimento, nos leva a atitudes mais equânime e equilibradas para esperar a crise passar.  

Como usar a mente para aumentar a imunidade do corpo

Existem vários exercícios para usarmos o nosso hardware que é a máquina do cérebro, a parte material e finita, e o software que é a mente, a parte imaterial com infinitas possibilidades de pensamentos. Somos ricos de possibilidades de resgatar o nosso melhor e também o pior.   

Isto porque o ser humano, além da imaginação, é dotado de livre arbítrio e  a mente sempre diz SIM, as escolhas que fazemos.  Quer você suponha que “pode”, quer suponha que “não pode”, sempre terá razão.  

Podemos usar a imaginação para conseguir fazer algo ou para não conseguir fazer algo.  O interessante é que para o sistema nervoso, a experiência imaginada é a realidade. 

Imaginação

Podemos fazer o corpo sentir a sensações como por exemplo: a sensação do azedo ao se imaginar  esfregando uma banda de um limão na língua, e mesmo que o limão seja somente fruto da imaginação, a boca saliva como se fosse real.

O neurônio, a célula nervosa, não sabe o que é mentira e o que é verdade, ele apenas roda o programa que a mente determina.  Ao assistir um filme de terror, sentimos medo, mesmo que a nossa supra consciência, que está além da mente, saiba que é apenas um filme.

O sistema nervoso é sensível e responsivo. O neurônio, a célula nervosa, simplesmente responde à imaginação, sem fazer a distinção entre o fato real e a imaginário.  

Uma mente saudável, tem mais condições de criar um corpo saudável para combater o invasor. O corpo pode criar uma imunidade a partir de um estímulo mental.   

Poeta Juvenal
Mente sã, corpo são” – Poeta Romano Juvenal 

Exercitar a respiração profunda e consciente, esse é outro exercício simples e eficiente.  

Pilates que durante a guerra contra Alemanha, refugiou-se em um hospital bombardeado, e teve a ideia de criar aparelhos com molas dos colchões e ferros das camas para fazer exercícios juntamente com os sobreviventes. Quando a guerra terminou, somente os pacientes do andar em que Pilates ensinou a respirar de forma coordenada com os movimentos do corpo, permaneceram saudáveis. A respiração correta aumenta a imunidade.  

Quando a respiração é potencializada com a visualização da célula criando o anticorpo, a imunidade cresce ainda mais, por exemplo:  

➡ Inspira pelo nariz e imagina que o ar está trazendo saúde para o corpo, e ao expirar pela boca, imagina que a doença está saindo do corpo.  

Existe um laço cibernético entre o pensamento, o comportamento e as emoções, de tal forma que um interfere na outro.

Vamos fazer alguns exercícios? 

🔶 Primeiro exercício (seleção de pensamentos):

Se tenho pensamentos agradáveis o meu corpo é sadio, e as emoções são prazerosas. Mas, se permito a entrada de  pensamentos desagradáveis, limito comportamentos e sofro com emoções perturbadoras. Dessa forma, selecione pensamentos que geram bem estar.

seleção de pensamentos

Uma respiração tensa e curta, restringe a entrada de oxigênio no corpo, este comportamento vai afetar os pensamentos e baixar o humor. Uma postura encurvada para baixo reforça um estado depressivo. Olhar para cima reforça o estado celebrativo. 

🔶 Segundo exercício de adotar boas posturas:

“Olhai as estrelas do céu”.  Assim é mais fácil de acreditar que a natureza tem infinitas possibilidade de recuperação. Além do olhar, também preste atenção em manter a coluna ereta, e ombros para trás. Em alguns momentos do dia, colocar as mãos na nuca e olhar para cima. 

Experimente e comprove a mudança de estado para melhor. 

Quanto às emoções, se o mau humor predomina, seus pensamentos e suas posturas corporais serão  contagiados e todo o sistema estará comprometido com o seu pior.

🔶 Terceiro exercício de bem estar:

Lembre de momentos descontraídos, assista filmes de humor e escute piadas. Você está curado psicologicamente quando estiver rindo dos próprios infortúnios.

Bem estar com a PNL

Quais as melhores crenças para aumentar a imunidade do corpo?

São as que estão no nível de identidade, ou seja aquilo declaramos que somos. 

Dizer:  

“Eu Sou saudável”, é mais forte do que “Eu tenho saúde”.  

Definir a identidade é escolher o que ser quer ser.   E o sistema imunológico reconhece os organismos invasores que não fazem parte da identidade e expulsos.

É curioso como cada célula sabe quem é você, e sabe quem não é você, e por esta razão reconhece os invasores, os inimigos e formam anticorpos para combater o corpo estranho.

Como uma crença pode gerar saúde?

O exemplo mais conhecido é o efeito placebo, ou seja uma pílula de farinha  pode passar a dor, no paciente que acredita tratar-se de um analgésico. Esta é a razão pela qual o medicamento atua de forma diferenciada em cada paciente. 

Dependendo da crença uma pessoa pode se achar capaz de combater uma doença ou se entregar a ela. A mente focada na saúde cria um ambiente interno favorável à cura.

Quais crenças são favoráveis a criação de estados internos fortalecedores em momentos de crise?

Acreditar que Tudo é cíclico e, como as estações da natureza, no verão precisamos pensar em como nos preparar melhor para o inferno. E quando o inferno chegar, suportar com paciência e esperar a primavera chegar. 

Caos

Afinal, tudo passa, nada é para sempre.  Use a imaginação, e faça uma ponte para o futuro e se veja daqui uns meses, olhando para trás, o quanto fomos criativos e, o quanto saímos da crise mais unidos e fortalecidos. 

Qual o melhor estilo de vida para adquirir imunidade

O que mais se escuta são pessoas que esperam no futuro viverem uma vida na qual tenham conforto, lazer, viagens, prazeres físicos, dinheiro, energia para curtir, boas comidas, boas roupas.   

Existe uma ilusão social que os melhores momentos são aqueles nos quais estamos relaxados e passivos.

Mihaly Csikszentmihalyi, psicólogo húngaro PhD, pesquisou durante duas décadas os estados de “Optimal Experience”, isto é, experiência máxima do ser humano. 

Descobriu-se então que estados de “flow” – fluir  é um momento de concentração tão centrado que a pessoa fica totalmente envolvida na atividade, que o resto não interessa …é aquele conceito budista de ser “um com o todo”, de “ser umcom a experiência.

São exemplos de “Flow”: esportes, dança, ao tocar um instrumento, reflexões, leitura, quebra-cabeças, diálogos profundos sobre ideias, trabalhos manuais etc.

Flow
Best Seller “Flow” – Mihaly Csikszentmihalyi

A bailarina quando está em “flow” não dança, ela é a dança. O pianista é a música, e  o desportista está tão integrado com a atividade que perde a noção do tempo e espaço.  

Os artistas, escritores, compositores, poetas, músicos, vivem no estado da arte, em alto grau de satisfação e por esta razão  sublimam as condições externas, esquecem as privações  traumas passados, e vivem somente no presente, o aqui e agora, livres da  expectativas futuras.

bailarina

Mihaly percebeu que quanto mais as pessoas tem capacidade de ficar totalmente no presente mais tem condições de ter qualidade de vida e maior é  grau de satisfação.  

Outros momentos de experiência máxima é quando sentimos que temos controle de nossas ações, somos donos de nosso destino:

Quando conseguimos vender alguma coisa, fechar uma negociação difícil, conquistar uma promoção, ou quando cumprir a meta. Assim, nos sentimos vitoriosos por ultrapassar um desafio no trabalho.

Estes sim são momentos memoráveis – momentos de bons combates! Situações em que o corpo ou mente estavam completamente empenhados num esforço voluntário para realizar algo que vale a pena.

Uma experiência máxima é algo que fazemos acontece. Quando acontecem estes momentos, nem sempre são agradáveis,  como o atleta que sente os músculos esgotados durante uma prova, mas não vê a hora de participar dela de novo. 

Atletas

Ninguém consegue ter um momento de êxtase, deitado no sofá. Momentos esplêndidos são os de auto-superação e estão mais ligados mais ao desafio do que ao descanso, estão mais ligados à satisfação do que ao poder aquisitivo.

Os artistas tornam-se “um” com a sua arte, independente das condições externas, e vibram com tamanha intensidade, onde não entram nem o medo, nem a ansiedade ou a censura.  Vivem associados a sua arte e dissociados das circunstâncias externas. 

Sejamos artistas de nossa própria vida, vivendo no estado de presença!

Como sair do medo de adoecer para um estado de coragem de reagir contra doença?

O medo contamina como doença de pele em piscina, bastando apenas  uma única pessoa estar contaminada, a coragem desce pelo ralo. As pessoas também podem se deixar contaminar pela coragem e fazer o medo sentir medo de se espalhar.

Incorporando a coragem podemos contaminar pessoas, inclusive a pessoa que somos.

Coragem

Podemos escolher ser derrotados antes mesmo da batalha começar dizendo, repetidas vezes, as frases “não vai dar certo”, “eu não consigo”, “isto é impossível”, “eu não mereço a vitória”. E vivem o medo que paralisa e empobrece. 

Mudar um estado é somente possível mudando os pensamentos. A qualidade dos estados interno dependem da qualidade dos nossos pensamentos.

O primeiro trabalho é de se convencer que podemos escolher entre enfrentar o dragão ou sair correndo. E sair correndo vai fazer o dragão avançar, como diz aquela frase se correr o bicho pega e se ficar o bicho come.  Mas se ficar e resolver enfrentar o bichão, existe uma possibilidade de vencer. 

Se entendermos que o dragão é um pensamento a ser enfrentado, ele será derrotado.

Essa alquimia mental acontece quando saímos da rigidez e da limitação e concentramos nas possibilidades.

Metaforicamente a escolha de pensamentos de possibilidades de cura, de crescimento, de coragem, é que transforma homens de chumbo em homens de ouro. 

Também é importante entender que toda emoção tem uma contraparte inversa na outra polaridade de igual natureza e substância porém diferente em intensidade. Como por exemplo: ódio e amor, preguiça e atividade, medo e coragem.   

Usando a Memória

É possível sair do medo usando a memória para imaginar um momento em que foi corajoso, ou mesmo lembrar de um momento de coragem de um herói da mitologia grega.

A memória pode operar milagres trazendo para o presente os momentos nos quais tivemos a liberdade de escolhas de sentir o que queremos sentir. 

Mesmo que seja um medo coletivo, é possível investir energia com a prevenção, antes que o medo se transforme em pavor da doença,  sem se deixar vampirizar pelo medo.

Medo

O que cresce é aquilo que se coloca sua atenção. É mais produtivo concentrar no que se pode fazer, do que naquilo que nada pode ser feito. 

Ao invés de gastar energia naquilo que não se pode modificar, o melhor é cuidar de aumentar, através do pensamento, a imunidade do corpo imaginando uma cena de seu organismo criando mecanismos naturais para combater os corpos estranhos.

Vitória

Afinal melhorando o estado interno já é de grande valia para o restabelecimento da saúde, e a  mente tem o poder de elaborar pensamentos mais elevados, utilizando a força da palavra.  

A PNL (Programação Neurolinguística) estuda a palavra cuja  vibração sonora afeta o sistema nervoso, servindo de gatilho para disparar neurotransmissores responsáveis pelas emoções tais como: gratidão, amizade, felicidade, alegria, satisfação, paciência, amor, honestidade, verdade, sabedoria… as quais possuem vibrações que por sua vez,  contribuem par aumentar a imunidade do corpo.

A PNL (Programação Neurolinguística)

Usando  Programação Neurolinguística – PNL,  programei usar a mente para melhorar a saúde do corpo, e venho conseguindo fortalecer a  imunidade cultivando crenças fortalecedoras, como por exemplo:

“Eu sou saudável”, “Eu sou a dona da minha saúde”, “Sou capaz de criar defesas através da força do meu pensamento”, “Eu mereço ter saúde”. 

A repetição desses mantras liberam serotonina que é um neurotransmissor responsável por estados internos de celebração à vida e de bem estar. Para estimular a produção de serotonina, pode-se também usar a memória para recordar momentos felizes, momentos de conquista, de autossuperação diz

Alex Korb, neurocientista do site Psicologia Hoje.  É simples entrar em estados felizes olhando fotos antigas recordando de fatos agradáveis ou conversando com um amigo para refrescar a memória. 

Alex Korb
Alex Korb

Korb, na qualidade de neurocientista descreve outras maneiras para aumentar o nível de serotonina: tomar sol, receber massagens, namorar, chocolate, ter amigos,  boa postura física, praticar exercícios aeróbicos, como corrida e ciclismo, afugenta o medo.

E se por acaso sentir dor, existe uma substância química chamada Endorfina que é a morfina natural fabricada pelo organismo para amenizar os incômodos no corpo.

Segundo Paty Adams, a endorfina é uma “breve euforia que mascara a dor física”.  O aumento de endorfina acontece ao ingerir alimentos picantes, bem como dançar, cantar, viver momentos alegres, sorrir e brincar.

Tudo que você precisa, você já tem no corpo e na mente. Faça bom uso!

Paty Adams  médico americano que conseguiu melhorar a saúde de crianças levando humor e brincadeiras, afirma que o riso aumenta a fabricação de endorfina e diminui a sensação de dor e o medo.  

Na hora que a ansiedade estiver batendo a porta, o que fazer?

A ansiedade é um padrão mental de quem está desconectado do presente, e conectado com o passado, lamentando o que não fez, ou conectado com o futuro na expectativa do que há de vir.  

Na verdade, tal padrão exclui a pessoa de viver o presente,  o único momento real que se pode operar alguma ação. 

Passado presente e futuro

A sugestão é aprender a estar no estado de presença, utilizando a respiração para se centrar no movimento do ar entrando e o ar saindo. Este movimento de diástole (expansão) quando a ar entra no corpo, e sístole (retração) quando o ar sai do corpo é o movimento da vida. 

Centrar no movimento da vida é o método mais seguro e fácil e simples de neutralizar a ansiedade. 

Segundo Hermes Trismegistos, faraó egípcio, três mil anos antes de Cristo, o mundo é mental. A mente é co-criadora do Universo. Tudo veio através da força vibratória contida no som das palavras pensadas ou pronunciadas.

vibrando

Na frase bíblica: “Haja luz, e a luz veio…”  pode-se perceber que o som veio primeiro e, a realização depois.  Da mesma forma podemos usar a vibração das palavras para criar novos estados diferentes da ansiedade, por exemplo.

Na Programação Neurolinguística, a vibração sonora da palavra pensada ou falada, é uma chave para a construção de bons estados mentais.  

Quais as palavras ou frases que você pode pronunciar agora para trazer uma frequência vibratória que possa anular a ansiedade.

É inteligente usar a mente:

✔ para lembrar de pessoas que venceram adversidades

✔ ler biografias de pessoas exitosas

✔ Fazer lista de modelos inspiradores e acesse-os usando a memória, em momentos de desafio. 

Através da memória é possível acessar os arquétipos dos heróis, daqueles que venceram a si próprios e por isto tornaram-se fortes para vencer as adversidades dos ambientes externos.

Outra forma de mudar estados é através de perguntas inteligentes, do tipo:

➡ Ter medo resolve? 

➡ Estar ansioso vai melhorar a situação ou piorar?

➡ Qual a emoção que lhe faz sentir melhor? 

➡ O que lhe impede de sentir a emoção de confiança? 

➡ O que esta situação ensina?

➡ O que é possível fazer para melhorar a situação? 

A pergunta é estruturante e levará o sistema humano a buscar respostas que irão ser o alicerce para novos estados mentais.

Outras dicas para criar estados internos mais resistentes

É muito comum, após o término de um relacionamento, a pessoa adoece pois a baixa estima tem ligação direta com a baixa imunidade do corpo. 

Quando estamos apaixonados a saúde se estabelece. Então qual a ligação da doença com a carência afetiva?  

Leonardo da Vinci  fez uma descoberta sensacional a respeito dos recursos internos para criar um sistema imunológico poderoso. Descobriu que, na região do coração, a glândula Timo  é ativada a fabricar timosina quando amamos ou somos amados.  

Amor

A timosina tem a função de fortalecer o sistema imunológico para destruir corpos invasores. Quanto mais estamos afetivamente bem, mais forte se torna o sistema imunológico. 

Sendo assim, uma das maneiras de aumentar a imunidade do corpo é ter um sentimento de amor para o outro independente se a conhecemos ou não.

Querer o bem dos outros é um excelente antibiótico e faz bem ao coração.

Amor

E agora? 

Agora mande amor para uma pessoa e perceba o que acontece internamente.  Pode ser que sua respiração tenha ficado mais profunda…acontece algo como uma sensação de expansão, bem dentro do coração. 

Gostou desse artigo? Continue acompanhando o Blog e as nossas redes sociais para saber mais sobre PNL (Programação Neurolinguística) e a busca pelo autoconhecimento.