fbpx

Espiritualidade & Religião: Qual a diferença?

Assuntos intangíveis como espiritualidade e religião, sempre geram polêmicas e precisam de capacidade de abstração para entender. Nesse artigo eu vou explicar sobre Espiritualidade e a diferença entre o termo frequentemente associado a religião

Uma fuga

O que se vê é uma grande quantidade de templos e igrejas que se propõem a ser um local sagrado para: aliviar os conflitos, preencher o vazio existencial, dar fim a solidão, esquecer as frustrações, melhorar a estima e afastar o mal e sensações ruins. 

Uns encontram o lugar certo, outros, por falta de entendimento mais aprofundado, escolhem participar do primeiro grupo que encontram e, por falta de afinidades, se afastam e resolvem caminhar sozinhos. 

Outros preferem participar dos grupos dos bares, festas e baladas, onde seus prazeres imediatos funcionam como o suspiro da panela de pressão do dia-a-dia. Bebem, comem, dançam, conversam amenidades e se distraem nas redes sociais e em programas de tv, e assim passam os dias entregues a mera saciedade dos impulsos atrofiando o lado reflexivo.

Mais cedo ou mais tarde, chega a hora de entender um pouco mais sobre tudo que está magicamente ao redor, e neste momento, é preciso encontrar o grupo certo, ou melhor, o grupo que irá ser mais adequado para o nível de compreensão de cada um.  

Além das religiões, está a importância da afinidade pessoal com os valores do grupo e com os ensinamentos.      

Acima da religião certa ou errada, está aquela que é válida para cada pessoa que aceita os dogmas, regras e princípios de um determinado templo ou igreja, com suas rezas e mensagens dos pastores, padres e gurus que elevam o pensamento e refinam os sentimentos. 

Disciplina Mental

A frequência sistemática e a repetição das rezas funcionam como um mantra que aos poucos estabelecem uma disciplina mental ao ponto de criar uma vida interior que satisfaça aspirações mais sutis e traz um estado de tranquilidade que facilita transcender as adversidades. Estes são religiosos que abraçam suas religiões como devotos fervorosos e encontram o bem-estar no meio do caos.   

Existem outras pessoas que não se enquadram a grupos específicos pois pensam de forma mais abrangente, e admitem que tudo e todos são sagrados e possibilitam uma conexão com o Divino, para eles, os templos e igrejas estão em todos os lugares, e os seres humanos, sejam eles de que religião forem, todos formam uma grande humanidade.    

Respeitam os gurus, padres, pastores mas ouvem somente o mestre interior.  Observam a natureza como a manifestação dos princípios universais. Consideram-se espiritualistas e agem localmente, mas visam o benefício do todo.  Antes de jogar um papel no chão, se perguntam:

“- Quem mais está comigo?”

E assim, dão ao lixo, o destino certo.  

Os espiritualistas mais elevados, mantem o seu modo de pensar e de agir, independente da opinião pública e são pessoas tranquilas e pacientes.  Geralmente não se ofendem, não gritam e nem se desesperam porque estão no mundo, mas, não são do mundo. Obedecem aos valores éticos e aprendem com as crianças e até com os tolos. São solitários em Deus e solidários a todas as criaturas independente dos credos.  

Os espiritualistas entendem que todas as religiões são veículos para chegar ao sagrado que mora dentro de cada um.

Porque é preciso desenvolver espiritualidade nas religiões?

É comum pensar que espiritualidade e religiosidade são sinônimos, no entanto uma pessoa pode ser espiritual, sem nunca ter entrado em uma igreja, ou ler a bíblia. O contrário também pode ser verdadeiro, religiosos, conhecedores da palavra de Deus, dentro de tempos sagrados podem esquecer que irmãos de outras religiões, também merecem amor e compaixão.

A falta de espiritualidade

A falta de espiritualidade dentro das religiões, é a causa da maioria das guerras no planeta. Ódios são alimentados desde criança, somente pelo fato do outro ter nascido em um outro local, com diferentes crenças ou interpretações bíblicas.  

Em nome de um Deus, mata-se o outro sem piedade. O egoísmo só tem olhos para si, desejando conforto, benesses, atenção somente para o seu próprio ser, desconhecendo o outro como alguém que tem direitos somente pelo fato de ter nascido, independente de qualquer outro aspecto. 

Espiritualidade é o senso de conjunto com todos os seres viventes e com toda a natureza, bem como a compreensão da interdependência entre tudo que existe. 

Por exemplo, cuidar do reino vegetal, na verdade é cuidar da própria sobrevivência, pois sem as florestas, não temos o ar para respirar, pelo simples fato de que, a fotossíntese feita pelas folhas, na presença da luz solar, é que  troca gás carbono tóxico por oxigênio puro. Sem falar nos remédios, nos frutos, nas sementes, nas sombras e na madeira que o reino vegetal nos oferece. 

Outro exemplo de espiritualidade aplicada, é cuidar da água pensando nas gerações futuras que também irão precisar desse recurso imprescindível para existência humana. O pensamento egoísta do abuso dos recursos da natureza sem o devido cuidado, é a ausência de espiritualidade que trará sérias consequências.

Espiritualidade no dia a dia

No dia a dia, espiritualidade, na prática, é cuidar do outro em situações bem simples, como por exemplo, ao sair do banheiro, ter a atenção de deixa-lo limpo para o próximo usuário. E não importa se conhecemos ou não, a pessoa que irá se sentir bem com a limpeza deixada, o que importa, na verdade, é a sensação de que estamos com pequenos gestos, contribuindo para o bem de todos. 

A ferramenta mais poderosa para despertar a espiritualidade é uma pergunta básica:

– Quem mais está comigo?  

Fazemos parte da raça humana que mora nessa nave espacial chamada Terra, e todos os comportamentos afetam de forma direta ou indireta, todas as criaturas.  

Se dentro do carro, ao jogar um papel na rua, perguntamos: – Quem mais está comigo? Imediatamente temos uma reação de colocar o papel em nossa lixeira particular, e essa atitude pode se estender para várias situações como: o cuidado com o lixo, com as praias, com as montanhas, com os animais, com as plantas, com o outro. 

O melhor de tudo é que o cuidado com o outro nos deixa feliz. Ao ajudar alguém, temos uma sensação interna de valia. A humanidade praticada indistintamente, com todas as criaturas por mais diferentes que sejam de nós, em todos os aspectos, quer nos sejam simpáticos ou não, é um sinal de espiritualidade.

A ausência da espiritualidade

A ausência de espiritualidade ocorre devido a identificação apenas com aquilo que é impermanente. Aquilo que é temporário e tem início, meio e fim, gera sofrimento, pois não nos pertence verdadeiramente. Aquilo que é verdadeiramente nosso, não pode ser tirado: a consciência, os valores, a fé, a liberdade de pensamento, a vontade de melhorar até na última respiração.  

O que nos faz seres espiritualizados é desenvolver uma ligação profunda com tudo e todos e até com aquilo que não se pode ver, ouvir ou sentir, como por exemplo, O que movimenta os astros,  faz uma planta nascer,  move os ventos, organiza o cosmos, cria os elementos da natureza, inventa do cérebro humano, o Inominável que está por dentro de toda a obra universal.

E nós como células desse grande e misterioso organismo cósmico, estamos interligados com toda a criação embora pareça que somos indivíduos separados.  Quando alguém muito longe comete um ato bom, toda a humanidade cresce e, da mesma forma, quando alguém comete um ato mau, toda a humanidade desce. 

Causa e Efeito

Somos causa e efeito do mundo e podemos ir além do que os olhos podem alcançar, os ouvidos podem ouvir, e os braços e pernas podem abraçar, somos livres para despertar nosso potencial espiritual desde que seja uma vontade firme, persistente de se conhecer por dentro!

Entenda como limpar a mente de pensamentos tóxicos e abrir espaço para a espiritualidade. Venha SER MAIS…Conheça como usar a mente para desenvolver a espiritualidade.  

A PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA – PNL tem ferramentas para organizar a mente e conseguir desvendar outros mistérios.